Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.

OPINIÃO ELEITORAL

OPINIÃO ELEITORAL

sábado, 27 de agosto de 2016

Tudo a lesma lerda!

 

REPORTAGEM DA REVISTA VEJA DESTA SEMANA

 

Exclusivo: a delação que Janot jogou no lixo

 

PGR anula acordo do empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, descartando revelações pesadíssimas contra L--- - e que mencionam também Dilma, Aécio e Serra

Thiago Bronzatto Robson Bonin                        
 
http://veja.abril.com.br/brasil/exclusivo-a-delacao-que-janot-jogou-no-lixo/
 
 Tudo farinha do mesmo saco !
 
A única solução seria trocar esses políticos antigos por uns mais novos. 
Seria apenas um teste.
Caso não dê certo, sugiro o Aeroporto.
 
 
 
 
 
 
 

Dilmês e economiquês

O adeus da feroz torturadora da verdade e do idioma


Neste 29 de agosto, o país verá em ação a Dilma que diz frases sem pé nem cabeça até quando lê e a Dilma que não diz coisa com coisa quando desanda no improviso

        Augusto Nunes


A pior oradora de todos os tempos protagoniza derrapagens espetaculares até quando está lendo discursos encomendados a quem consegue juntar sujeito e predicado. Foi assim em dezembro de 2009, durante a Conferência do Clima promovida em Copenhague, quando a chefe da Casa Civil do governo L--- surpreendeu o mundo com a notícia assombrosa: “O meio ambiente é, sem dúvida, uma ameaça ao desenvolvimento sustentável”, recitou Dilma Rousseff sem tirar os olhos do papel. E foi em frente. Como não se corrigiu, não se explicou e nem pediu desculpas, continua valendo o que disse.
 

Em agosto de 2013, numa visita a Campinas, Dilma começou a ler à tarde o discurso escrito para ser lido à noite. Ela contava a sofrida saga de “uma mulher que estudou até a quinta série do curso fundamental porque vivia na roça com mais nove irmãos e não teve condições de continuá estudano” quando se deu conta de que aquilo era para mais tarde. “Mas essa mulher eu vou tratá dela no próximo… na próxima cerimônia que eu vou participá aqui em Campinas que é a formação do Bolsa Família”, informou. Dado o aviso, desandou a explicar por que “a casa própia é muito importante”. Isso mesmo: “própia”. UÉ! SEGUNDO OUTRAS INFORMAÇÕES, DILMA ESTUDOU NO SION (OU SERÁ CION?) - http://dilma-mostra-tua-cara.blogspot.com.br/2010/07/vida-escolar-de-dilma-rousseff.html)
 

Se a Dilma dos discursos escritos é uma oradora de alta periculosidade, a Dilma dos palavrórios de improviso é uma selvagem serial killer da retórica. Neste 29 de agosto, a transmissão pela TV Senado do depoimento da presidente agonizante permitirá que milhões de brasileiros acompanhem ao vivo a primeira e última apresentação conjunta dessas duas Dilmas. A que diz frases sem pé nem cabeça até quando lê vai caprichar num falatório fantasiado de Auto da Injustiçada. A que não diz coisa com coisa quando improvisa vai responder a perguntas dos senadores.
 

Dilma garante que foi ela quem resolveu defender-se pessoalmente no Senado. Como nenhum dos áulicos que seguem frequentando o palácio assombrado ousou apresentar-lhe os perigos da ideia de jerico, a performance da segunda-feira vai atestar que o impeachment livrará o Brasil, simultaneamente, de uma recordista mundial de incompetência, de uma mentirosa compulsiva e de uma torturadora da língua portuguesa.

Ela seria poupada desse vexame derradeiro se a missão impossível fosse repassada aos senadores que permanecem a bordo da embarcação condenada cujo piloto é José Eduardo Cardozo. O texto que inunda com lágrimas de esguicho os golpistas cruéis, por exemplo, deveria ser berrado por Lindbergh Farias, uma gritaria a serviço da pouca vergonha. As réplicas aos senadores favoráveis ao impeachment ficariam por conta dos integrantes da tropa, devidamente municiados com vídeos que registram alguns dos melhores piores momentos da chefe.
 

Gleisi Hoffmann cuidaria de mostrar que a presidente reincidiu em pedaladas criminosas por ter compreendido que a Lei de Responsabilidade Fiscal é mesquinharia de avarento shakespeariano diante da grandiosidade de um Minha Casa, Minha Vida. Vale tudo para impedir que tão esplêndido programa definhe por falta de verbas — até raspar o cofre do Banco do Brasil. Quem discordar de Gleisi será calado pela exibição do vídeo [AQUI] em que Dilma ensina que uma casa é muito mais que uma casa: “Porque casa é primeiro sinônimo de segurança. Casa, depois, é sinônimo de uma outra coisa muito importante. Um lugar para a gente construir laços afetivos. É ali na casa que o pai e a mãe amam as crianças, dão instruções para as crianças, educam as crianças… e os jovens. É ali na casa também que cumeça… né? Os encontros, os namoros, os noivados, os casamentos”.
 

Em seguida, Vanessa Grazziotin explicaria que a gastança ilegal com obras de infraestrutura só é coisa de meliante juramentado aos olhos de gente que não sabe direito, por exemplo, para que serve uma ponte. É só ouvir o que a presidente diz no vídeo [AQUI]: “Por que o que que é uma ponte? Uma ponte é geralmente, e é algo que nós devemos nos inspirar, porque uma ponte é um símbolo muito forte. Pensem comigo, uma ponte ela une, uma ponte fortalece, uma ponte junta energia, uma ponte permite que você supere obstáculos”.
 

Kátia Abreu provaria que só uma estadista dotada de um sexto sentido pode enxergar as coisas que só Dilma vê — quem mais seria capaz de ver um cachorro oculto por trás de cada criança? No desfecho da contra-ofensiva, Humberto Costa apresentaria o vídeo [AQUI] em que a Mãe do Brasil Maravilha, numa única frase, saúda a mandioca, exalta o milho e anuncia a descoberta da mulher sapiens.
 

A última apresentação do quinteto de patetas não se limitaria a abreviar o desfecho da chanchada do impeachment com o despejo definitivo da pior governante da história. Também faria a nação a caçar respostas para duas perguntas perturbadoras. Como pôde o Brasil eleger e reeleger esse poste fabricado por um farsante que celebra a ignorância? E como conseguiu o país sobreviver a uma figura assim?
 
 
 
 

VOTE NAS PUTAS POIS NOS FILHOS NÃO DEU CERTO

 
Baixaria continua e se agrava
 
 

Quem desejava apenas um impeachment está se 'refastelando' em frente à TV. 
 
 
Essa 'votação' pelo impeachment da afastada presidentA petista Dilma é como se fosse um filme pornô, onde todos os políticos de carreira mereceriam ser afastados  de seus cargos.
 
 
É a última chance de Dilma  se defender do indefensável.  Mas gostaria de saber porque senadores não calam suas bocas e apenas votam pelo impeachment? Seria uma forma de se queimarem menos, sem esses discursos  visivelmente mentirosos, hipócritas e chinfrins.    
 
 
Além dos discursos mentirosos notaram o anel nos dedos de alguns  senadores?  É nisso que dá votar em quem não está apto,  nem ao menos na aparência, para   ocupar um cargo e ganhar tanto.
 
 
VOTE NAS PUTAS
PORQUE NOS FILHOS NÃO DEU CERTO
 
 
Ao menos nisso sou obrigada a concordar com
a senadora que fez uma auto crÍtica indecente:
 
NINGUÉM NAQUELE SENADO TEM MORAL PARA JULGAR OS OUTROS.
 
 
 

Inconsciência vota


 
 
Num momento doloroso da vida da nação, em que só falta à boa parte da população (à la Sivuca, da Scuderie Le Cocq) dizer que “político bom é político morto”, a senadora Gleisi Hoffmann tem, acho, o apoio da galera quando diz que o Senado não tem condição moral de julgar Dilma. É verdade. As pessoas estão enojadas “desses políticos todos”, inclusive de Dilma. 

COMPLETO

 
 
Dizer que as pessoas estão enojadas desses políticos todos não é verdade.  Só quem está de fato enojado são as pessoas que acompanham essa safadeza política que está aí só aguardando o nosso voto (O DELES!) .
 
 
Porque o voto é obrigatório? É das pessoas mais 'desavisadas' que os políticos dependem para se eleger.  Já imaginaram se o voto não fosse obrigatório? Só iria votar quem  tem o mínimo  de consciência. Pessoas mais ignorantes não iriam trocar seu  'programinha' por uma urna eletrônica.
 




NOTA:  Não percam tempo me chamando de preconceituosa, porque já sei disso há muito tempo.



 

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

DESORDEM E REGRESSO

 
 
 Depois da baixaria institucionalizada.... 
Renan Calheiros suspendeu a  sessão
"para que a roupa suja dos senadores pudesse ser lavada" !
 
 
 
MAIS UMA BAIXARIA ! 
 
Vídeo  

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

CAMPANHA ELEITORAL


É justamente nessa  época -  época de campanhas eleitorais - que os candidatos se tornam presentes e simpáticos aos seus eleitores.
 

Saem pelas ruas distribuindo sorrisos e dentaduras.  Se mostram preocupados com sua cidade, que só lembravam existir ao buscar a aprovaçao de quem nele votou, sem se arrepender por estar menos informado ou mais desinformado.
 
 
Junto com sorrisos e dentaduras irao as promessas e os panfletos.
 
 
 
E, já que você é um babaca eleitoral, nao esqueça de escolher:

Quem mente mais
Quem é mais convincente
Quem distribui mais brindes
Quem faz mais promessas
 
 



OBS>:  Perdoem a falta de til em algumas palavras, pois esse é um dos problemas que apresentou meu computador depois que pela milionésima vez  a  energia acabou  'derrepentemente'.
 
 
 
 
 


Senado provou que é senado


Xingamentos, baixaria, ataques.  Foi assim que começou o julgamento do impeachment da PresidentA.
 



No meio do caos , a senadora Gleisi Hoffamann teve um ataque de auto-censura e disse que entre os políticos aboletados no Senado não existe moral para julgamento da  PresidentA petista afastada.  
 
 
Além da auto-censura, Gleisi disse o que todos já sabem: que não existe moral para julgar ninguém nem no Senado nem em parte alguma da Câmara Federal, uma Casa de tolerância.
 
 
E SOMOS NÓS QUE PAGAMOS
AQUELA GENTINHA QUE ESTÁ LÁ.