Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Fraudes - Olavo de Carvalho

 
 
 
Sucessão de fraudes
Olavo de Carvalho
Diário do Comércio
 
 
Houve fraude nas eleições presidenciais de 2014? Sem o menor temor de errar, afirmo categoricamente: Houve não uma, nem duas, nem mil, mas a mais longa e assombrosa sucessão de fraudes que já se observou na história eleitoral de qualquer país, em qualquer época. 

 Essa afirmação, que soará hiperbólica aos ouvidos de quem não conhece os fatos o suficiente para poder medi-la, traduz uma verdade literal e simples que qualquer um, se quiser investigar um pouco em vez de julgar sem conhecimento de causa, poderá confirmar por si próprio.

 Primeira série de fraudes:

 A Lei dos Partidos Políticos de 1995, Art. 28, alínea II, afirma taxativamente que será cassado o registro de qualquer partido que se comprove subordinado a uma organização estrangeira.

 O PT, segundo a propaganda do seu III Congresso, reconhece o Foro de São Paulo como “coordenação estratégica da esquerda latino-americana”. Ao subscrever e colocar em prática as decisões das assembléias gerais do Foro, esse partido reconhece sua subordinação a um plano internacional que não somente jamais foi discutido ou aprovado no nosso Parlamento, como também advoga, sem dar disto a menor ciência ao povo brasileiro, a dissolução da soberania nacional mediante a integração do país num monstrengo internacional chamado “Pátria Grande”, cuja capital é Havana e cuja língua oficial é o portunhol.

 A sra. Dilma Rousseff, em especial, chegou a ser louvada pelo ditador venezuelano Hugo Chávez como “grande patriota... patriota da Pátria Grande”. Será possível não entender que ninguém pode ser ao mesmo tempo um patriota da pátria brasileira e um servidor leal da organização internacional empenhada em engolir essa pátria e governá-la desde assembléias e em reuniões secretas realizadas em Havana, em Caracas ou em Santiago do Chile? 

 Quando digo “reuniões secretas”, não é uma interpretação que faço. É o traslado direto da confissão cínica apresentada pelo sr. Luís Inácio Lula da Silva, não numa conversa particular, mas em dois discursos oficiais transcritos na página da Presidência da República (v. um deles em
http://www.olavodecarvalho.org/semana/050926dc.htm). 

 Se ainda vale o princípio de que de duas premissas decorre uma conclusão, esta só pode ser a seguinte: O PT é um partido ilegal, que não tem o direito de existir nem muito menos de apresentar candidatos à presidência da República, aos governos estaduais ou a qualquer câmara estadual ou municipal.

 Segunda série de fraudes:

 Tão óbvia e gritante é essa conclusão, que para impedir que o cérebro nacional a percebesse foi preciso ocultar da opinião pública, durante dezesseis anos seguidos, a mera existência do Foro de São Paulo, para que pudesse crescer em segredo e só se tornar conhecido quando fosse tarde demais para deter a realização dos seus planos macabros. Nesse empreendimento aliaram-se todos os órgãos da “grande mídia”, reduzindo o jornalismo brasileiro a uma vasta e abjeta operação de desinformação e forçando o povo brasileiro, em sucessivas eleições, a votar em candidatos cujo programa de ação desconhecia por completo e, se o conhecesse, jamais aprovaria.

 Terceira série de fraudes: 

 O Foro de São Paulo é a mais vasta, mais poderosa e mais rica organização política que já existiu no continente. Seu funcionamento – assembléias, grupos de trabalho, publicações, viagens e hospedagens constantes para milhares de agentes – é inviável sem muito dinheiro que até hoje ninguém sabe de onde vem e cuja origem é feio perguntar. É praticamente impossível que verbas do governo brasileiro não tenham sido desviadas em segredo para essa entidade. É mais impossível ainda que grossas contribuições não tenham vindo de organizações de narcotraficantes e seqüestradores como as Farc e o MIR chileno, que ali são aceitas como membros legítimos e tranqüilamente discutem, nas assembléias, grupos de trabalho e encontros reservados, a articulação dos seus interesses criminosos com o de partidos políticos como o PT e o PC do B. 

 Quarta série de fraudes:

 A sra. Dilma Rousseff, servidora dessa geringonça imperialista, jamais poderia ser candidata a qualquer cargo eletivo no Brasil. Urnas que votam sozinhas ou que já chegam à seção eleitoral carregadas de quatrocentos votos para a candidata petista, como tantos eleitores vêm denunciando, são apenas subfraudes, ou pedaços de fraudes, em comparação com a fraude magna que é a presença, na lista de candidatos presidenciais, da agente notória e comprovada de um esquema estrangeiro empenhado em fagocitar e dissolver a soberania nacional. 

 Quinta série de fraudes:

 Eleição com contagem de votos secreta não é eleição, é fraude. O sistema de ocultações montado para isso, sob a direção de um advogadinho chinfrim sem mestrado, sem obra notável publicada e sem qualquer currículo exceto serviços prestados a um dos partidos concorrentes, viola um dos princípios mais elementares da democracia, que é a transparência do processo eleitoral. Como observou uma advogada que tentou denunciar em vão a anomalia imposta ao eleitor brasileiro, “é o crime perfeito: o acusado se investiga a si próprio”. 

Que mais será preciso para concluir que, sob todos os aspectos, a eleição presidencial de 2014 foi em si uma fraude completa e majestosa, coroamento da longa sucessão de fraudes em série em que se transformou a política brasileira desde o ingresso do PT no cenário eleitoral?
 
 
 
 
 
 

O BRASIL DIVIDIDO SALOMONICAMENTE

 
A recente eleição presidencial sublinhou que a nação Brasil não existe
 
Hoje, graças ao social - lulo - petismo, descaradamente, podemos dividir a nação em duas partes. O território dos “QUE PAGAM”, e o território dos “QUE SÓ RECEBEM”. Simples assim.
 
Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo
Brasília, DF, 29 de outubro de 2014
 
Amanhã, é o dia da manifestação pela união do povo brasileiro e contra
esse  separatismo que tomou conta de todos nós 
(de  mim, inclusive)
 
É isso que interessa ao partido que se aboletou no Palácio do Planalto. Estaremos presentes contra esse separatismo que nos transforma em inimigos, que divide em dois um país que é de todos nós (eu, inclusive!).  
 
 
Vamos à movimentação do dia 1.11 (próximo sábado)
nos diversos  lugares em todo o Brasil:
 

14:00h São Paulo-Av. Paulista-frente ao Masp ...
14:00h Rio de Janeiro-Assembléia Legislativa  - Av. Pres. Antônio Carlos
14:00h Minas Gerais-BH-na Praça Sete
14:00h Espirito Santo-na UFESy
14:00h Goiás-Goiania-Praça Dr. Pedro Ludovico
14:00h Porto Alegre-Parcão(frente ao moinho)
14:00h Teresina-Igreja São Benedito
14:00h Brasilia-Esplanada dos Ministérios
14:00h Fortaleza-Dragão do Mar
14:00h Curitiba-Praça Santos Andrade
14:00h Limeira-Praça D. José de Barros
14:00h Valinhos-Próximo a Rodoviária
14:00h Jundiai-Em frente ao Parque da Uva
14:00h campo grande-ms em frente a praça do radio

 
MOSTRE QUE VOCÊ É BRASILEIRO NÃO APENAS NO GOGÓ.
COMPAREÇA E AVISE A TODOS QUE PUDER.
 
 
O vídeo e o texto serviram como um alerta, pois eu estava, como muitos estão, revoltados com a situação atual do nosso  Brasil.  Precisei, como muitos de vocês precisam, de uma chamada que me fizesse trocar o ímpeto raivoso por uma ação mais racional.
 
Se você pensa que  não vale a pena ir até o lugar marcado porque lá estarão poucas pessoas, pense que o problema é de quem  não estará lá e não seu.  
        
 
VAMOS NOS UNIR E AGIR. 
 
Vamos trocar nosso ímpeto pela união,
pois é ela que vai nos fortalecer.
 
 
 

Ataques

 
 
O Foro de São Paulo é uma organização que reúne, de maneira promíscua, partidos políticos legais, organizações terroristas e grupos narcotraficantes.    
 
Ele foi fundado em 1990 por Lula e Fidel Castro, que prometiam reconquistar na América Latina o que se havia perdido no Leste Europeu.  
  
Seu objetivo era traçar estratégias comuns e lançar “novos esforços de intercâmbio e de unidade de ação como alicerces de uma América Latina livre, justa e soberana”.    
 
A unidade estratégica dessas organizações visava tomar o poder em todo o continente, criando uma frente de governos socialistas em oposição aos Estados Unidos.    
 
Hoje, duas décadas depois, o Foro de São Paulo governa 16 países, nos quais aplica a mesma agenda de aparelhamento do Estado, de limitação das liberdades civis, de relaxamento no combate ao narcotráfico, de perseguição à oposição e à imprensa livre.  
 
O “Plano de Acción” aprovado e publicado nas atas do seu 19.º Encontro, ocorrido em São Paulo no começo deste mês, confirma e reforça o pacto estratégico e o compromisso solidário estabelecidos 23 anos atrás.  
  
Os efeitos práticos dessa solidariedade política ficam claros quando observamos a submissão do governo petista às diretrizes do Foro, em detrimento dos interesses nacionais, como ilustram alguns casos da nossa política recente.  
 
Em 2005, o representante das Farc no Brasil, Olivério Medina, foi preso numa ação conjunta entre a Polícia Federal e a Interpol. Medina era procurado na Colômbia por diversos crimes – homicídio, sequestro e contrabando de armas – e o governo colombiano pediu sua extradição.   
 
O presidente L... não apenas lhe negou o pedido como concedeu ao terrorista o status de refugiado político. Logo depois, a esposa de Medina, Ângela Maria Slongo, foi ocupar um cargo de confiança no Ministério da Pesca, a pedido de Dilma Rousseff, então ministra da Casa Civil.  
 
Em maio de 2006, Evo Morales estatizou duas refinarias da Petrobras na Bolívia, depois de ocupadas e tomadas pelo exército boliviano. O governo brasileiro respondeu com um afago e, dois anos depois, Lula anunciava um empréstimo de US$ 332 milhões a Morales, para a construção de uma rodovia.  
 
Em 2011, Dilma Rousseff anunciou mudanças no Tratado de Itaipu, atendendo a um pedido de Fernando Lugo, presidente do Paraguai e membro do Foro de São Paulo.  
 
A senadora Gleisi Hoffmann, do PT, foi a relatora da matéria no Senado e defendeu a aprovação das alterações, que fizeram triplicar a taxa anual paga pelo Brasil ao Paraguai pela energia não usada da Usina de Itaipu, saltando de US$ 120 milhões para US$ 360 milhões. 
 
A decisão do governo federal de trazer médicos cubanos ao Brasil é apenas uma manobra do Foro de São Paulo para financiar a indústria de “missões humanitárias” de Havana. 
 
Segundo dados levantados pela jornalista Graça Salgueiro, mais de 20 países recebem serviços médicos de Cuba. Os países-clientes pagam pelo serviço ao governo cubano, que repassa apenas uma pequena parte do dinheiro aos médicos. 
 
Raúl Castro arrecada nada menos que US$ 6 bilhões anuais com o envio de médicos ao exterior. Calcula-se que o Brasil enviará centenas de milhões de dólares aos cofres cubanos com a importação dos médicos. O dinheiro que poderia ser investido no sistema público de saúde brasileiro vai financiar uma ditadura comunista. 
 
Quando o filósofo Olavo de Carvalho começou a denunciar o Foro de São Paulo, políticos, empresários e jornalistas preferiram ignorá-lo, acreditando que o bicho era manso. Mas o bicho era bravo e agora cresceu formidavelmente; já não sabemos se ainda é possível derrotá-lo. 
 
 
Publicado no jornal "Gazeta do Povo".
Silvio Grimaldo de Camargo é sociólogo e editor no Paraná.
 
 
Recebido por email
 
 
 
 
 
 



Não atrapalhe minha morte

 
 
 LULA COM O PÉ NA PORTA

Eliane Cantanhede
 
Piadinha maldosa em Brasília: Viu? Foi só o Aécio Neves ganhar a eleição que o Armínio Fraga mandou aumentar os juros!
 
 
Quem venceu foi Dilma Rousseff e quem aumentou os juros para 11,25%, três dias depois da eleição, foi o Banco Central da própria Dilma. Detalhe: foi 5 a 3, um placar premonitório de debates sangrentos em torno dos rumos da economia.



 Ao longo da campanha, havia o consenso de que, ganhasse quem ganhasse, iria enfrentar um 2015 dificílimo, com medidas duras, nada populares. Dilma martelava que só Aécio e Armínio as tomariam, mas ela não tem como fugir. Só se maquiar dados, cancelar balanços e disfarçar aumentos – como neste mandato.



 Aliás, falava-se num 2015 difícil, mas esquecendo-se que, entre a eleição e a "reposse" em janeiro, haveria novembro e dezembro, já com más notícias jorrando. É o que ocorre.



 Os juros subindo, sem que a oposição ao menos lembre o pronunciamento de Dilma na televisão, gabando-se de ter chicoteado as taxas ao jeito dela. As Bolsas e o dólar sacolejando, refletindo incertezas dentro e fora do país. O prejuízo de R$ 3,4 bilhões da Vale no trimestre, em contraponto ao lucro líquido de R$ 3,9 bilhões do Bradesco.



Como pano de fundo, a instabilidade também no Congresso, que mal esperou passar a comemoração da vitória de Dilma e do PT e já na terça-feira dava o primeiro de muitos sustos no Planalto. Apesar de conservar a maior base aliada do planeta, Dilma enfrentará mágoas e chantagens, sobretudo, do partido do seu vice, o PMDB. E a oposição no Senado tende a ser vigorosa.



Ou seja: a eleição ainda nem esfriou e os resultados ainda estão sendo devidamente analisados, mas as dificuldades de Dilma na economia, na política e na gestão já estão mostrando a sua cara e prenunciando um segundo mandato bem agitado.



 L... botou no pé na porta.
Mais do que ajudar Dilma,
não quer que ela prejudique o futuro do PT – e dele.
 



 
 
N.B.: Ao menos os médicos poderiam 'acalmar' o ex-presidente e explicar a ele que Dilma jamais poderá prejudicar um 'morto'.



quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Mobilização no próximo sábado

 
 




 

 
Chega desse SEPARATISMO que nos faz brigar, pois é isso que interessa ao partido que se aboletou no Palácio do Planalto. Estaremos presentes contra esse separatismo que nos transforma em inimigos, que divide em dois um país que é de todos nós (eu, inclusive!). 
 
 
 
 
 
Vamos à movimentação do dia 1.11 (próximo sábado)
nos diversos  lugares em todo o Brasil:
 

14:00h São Paulo-Av. Paulista-frente ao Masp ...
14:00h Rio de Janeiro-Assembléia Legislativa  - Av. Pres. Antônio Carlos
14:00h Minas Gerais-BH-na Praça Sete
14:00h Espirito Santo-na UFESy
14:00h Goiás-Goiania-Praça Dr. Pedro Ludovico
14:00h Porto Alegre-Parcão(frente ao moinho)
14:00h Teresina-Igreja São Benedito
14:00h Brasilia-Esplanada dos Ministérios
14:00h Fortaleza-Dragão do Mar
14:00h Curitiba-Praça Santos Andrade
14:00h Limeira-Praça D. José de Barros
14:00h Valinhos-Próximo a Rodoviária
14:00h Jundiai-Em frente ao Parque da Uva
14:00h campo grande-ms em frente a praça do radio



 
MOSTRE QUE VOCÊ É BRASILEIRO NÃO APENAS NO GOGÓ.
COMPAREÇA E AVISE A TODOS QUE PUDER.
 
 
O vídeo e o texto serviram como um alerta, pois eu estava, como muitos estão, revoltados com a situação atual do nosso  Brasil.  Precisei, como muitos de vocês precisam, de uma chamada que me fizesse trocar o ímpeto raivoso por uma ação mais racional.
 
Se você pensa que  não vale a pena ir até o lugar marcado porque lá estarão poucas pessoas, pense que o problema é de quem  não estará lá e não seu.  
        
 
VAMOS NOS UNIR E AGIR. 
 
 
 
 
 
 

Ataques de Gilberto Carvalho

Ministro ataca Congresso por vetar conselhos

 
É uma vitória que não significa nada,
a não ser uma vontade de impor uma derrota à presidenta” - Gilberto Carvalho
 
O “ministro” Gilberto Carvalho, disse que é apenas uma ‘vitória de Pirro’ a derrubada do decreto do novo-velho governo da presidentA reeleita.  Para ele,  o fato não significou coisíssima alguma e não passou de uma vontade de ir contra os ventos da História ou uma necessidade de impor uma derrota à PresidenA.

Talvez o Ministro tenha se enganado, pois tal derrota representou muito mais do que ele  pretendeu fazer  seus eleitores acreditarem. Se é que muitos deles sabem de suas “imaginações milabolantes”!

Tal derrota representou a queda de intenções socilialóides que poderiam cair no colo de diversos parlamentares, que veriam tais conselhos podarem sua força.  Não! Um parlamentar não admite ser ‘domesticado’ pelo governo petista.  Imaginem só!  Se eles não aceitam ser ‘domesticados’ nem mesmo  pela compostura.

Fora isso, a expressão 'ir contra a História' seria até risível.  História?  Qual história?  A que foi criada pelo seu Partido de Trambiqueiros?
Ele disse, também, que o  povo brasileiro não aceita mais uma postura de mero espectador .  Aí ele tem até razão.  Caso o povo brasileiros fosse tão acomodado como sempre foi, a vontade expressa nas urnas, ao menos da metade da população, não teria  sido tão gritante. 
 
 
Mas é uma derrota  que não nos abate.  
 
Outro engano -  ou seria enganação?   Se juntarmos a derrubada de tal decreto, com a grande queda de credibilidade demonstrada nas urnas (Eduardo Suplicy é apenas um exemplo), mais quatro anos que ajudarão a desmoralizar o partido dos trambiqueiros, dá para fazer uma tremenda festa. 

 
 
MINISTRO DIZ QUE GOVERNO NÃO DESISTE      
Nós também não!

Depois de tantos enganos, vimos o ministro diizer  que o governo não desistirá de ampliar a participação da sociedade.   Só não disse a que parte da sociedade estaria se referindo.  Além disso. quem desconhece o que vem acontecendo, quando ouve uma frase assim até acredita que tem um governo trabalhando a seu favor.

Segundo ele,  uma reforma política  só será possível apenas com uma forte mobilização popular.   Mal sabe  ele que  muitas pessoas  podem até saber o que  é uma mobilização popular, da mesma maneira que sabem o que é um estômago vazio, mas ignoram  o que significa uma reforma política.           
O líder do PT no Senado Federal, Humberto Carvalho, pretende trabalhar para que o Senado aprove tal ‘conselho’, vetado pela Câmara

 
ATAQUES AOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO 

O senador petista aproveitou seu pronunciamento para atacar, ainda, os meios de comunicação. 
Ele chegou a chamar jornalistas de “os débeis mentais”
— Causa-me espécie a ignorância ou a má-fé de alguns colunistas de jornais e revistas brasileiros que dizem que querer fazer a reforma, tendo antes um plebiscito, é uma forma de bolivarianismo, palavra mágica para tentar designar tudo o que não se coadune com a democracia. Esses débeis mentais propriamente ditos precisam ler a Constituição, precisam lembrar que o Brasil já teve plebiscito — atacou Costa.

Preparem a bicicleta, mas não esqueçam a lamparina



Juros sobem antes do previsto


Governo estuda a volta da cobrança da CIDE para aumentar a arrecadação . CIDE é um tributo que incidente sobre os combustíveis



Energia elétrica - http://oglobo.globo.com/economia/petroleo-e-energia/conta-da-light-pode-subir-25-diz-aneel-14374828 .  Mas em Roraima ...

 
 
 
AS MUDANÇAS JÁ COMEÇARAM...
... NOS PREÇOS

Promessa política é uma dívida vencida, que jamais será paga


Cabe a nós ver o que anda acontecendo,
 
acompanhar as promessas que foram feitas
 
e jamais serão cumpridas.
 
Nosso papel é cobrar e pressionar .
 
VAMOS EXIGIR RESPEITO... pelo menos
 
 
 
 
 
 
Ontem foi aberto um novo grupo
com o objetivo de ficarmos atentos a tudo o que acontecer nesse
Brasil PT que partiu
 
 
 
 
 
 

Tem um economista por aí?

 
 
 
Míriam Leitão e Marcelo Loureiro
Jornal O Globo
 PROCURA-SE
 
Presidente reeleita por mais quatro anos procura executivos para área econômica que tirem um país, de grande potencial, da estagnação, inflação alta, piora na contabilidade e baixa confiança. Os pretendentes ao emprego devem ter capacidade de restaurar a credibilidade na administração e, ao mesmo tempo, aceitar interferências frequentes sobre a melhor forma de conduzir o trabalho.
 
Alerta-se aos possíveis colaboradores na tarefa de conduzir a economia dos próximos quatro anos que a presidência comprometeu-se publicamente com ideias como a de que a redução da inflação leva ao aumento do desemprego, que pelos seus cálculos chega a números exatos: 3% de inflação é igual a 15% de desemprego. Seria constrangedor se essa teoria fosse desmentida na prática. Portanto, quem achar a inflação de 6,5% alta demais pode enfrentar instabilidades na nova vaga.
 
Se o pretendente ao melhor dos empregos oferecidos no setor econômico tiver em seu currículo uma longa passagem, de vida inteira, no maior banco privado do país terá que abjurar tais antecedentes e quaisquer crenças heréticas. O marketing da campanha oficial, amplamente divulgado e notoriamente bem-sucedido, atacou competidores com a tese de que entregar a economia aos banqueiros seria o mesmo que tirar a comida do prato do povo ou os cadernos das mãos de crianças em idade escolar.
 
Caso o candidato ao emprego — ou aos empregos, porque será feita ampla reformulação da equipe — tenha intenção de implantar ideias próprias alerta-se que, no que se refere à questão fiscal, o comando já se manifestou sobre o tema. As metas de desempenho foram sucessivamente alteradas, reduzidas, e não serão cumpridas no atual exercício. No entanto, a presidência deposita toda a confiança no autor dessas mudanças contábeis já introduzidas. Foram aprovadas diretamente pelo comando do país as inovadoras e criativas alterações implantadas pelo zeloso funcionário, a tal ponto que ele tem canal direto com a chefia máxima. O contador-mor só não permanecerá na equipe caso queira espontaneamente descansar após os relevantes serviços prestados.
 
Informa-se aos que pretendam integrar a nova equipe que não serão aceitos elogios à administração que encerrou seus trabalhos no remoto ano de 2002. Nenhum mérito daquele período — nem mesmo a paternidade da suposta derrota da hiperinflação — deve ser reconhecido porque a presidência, que ora renova seu mandato, está convencida de que tudo o que de real aconteceu foi inaugurado em 2003.
 
Alerta-se também que têm sido divulgadas análises de que o país pode perder o grau de investimento caso não haja mudança de rumo e de indicadores. São os pessimistas. Todos os indicadores melhoraram. Os problemas que porventura surgiram recentemente, como o aumento do déficit em transações correntes, o baixo crescimento do PIB e a queda da indústria, são resultado da pior crise internacional em 80 anos. Outros imprevistos como os problemas financeiros das empresas elétricas são decorrentes da pior seca em 80 anos. Essa segunda externalidade só não explica o desabastecimento de água no estado de São Paulo, que foi falta de planejamento dos gestores locais.

 
Os companheiros que se integrarem à administração nesse novo governo devem ter ideias novas, desde que sejam as antigas. A administração, ora renovada, promete manter diálogo com todos os oponentes que concordarem com as ideias centralmente definidas. Garante trabalhar “diuturna e noturnamente” para levar às últimas consequências a nova matriz macroeconômica. 



Milagreiro também serve.
Desde que se comprometa a restabelecer o que foi posto abaixo .

 

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Roberto Campos e suas definições

 
 
 Roberto Campos fez um diagnóstico preciso da árvore genealógica da esquerda, ao afirmar que: 
 “Trata-se de filhos de Marx numa transa adúltera com a Coca-Cola”.
 
 E prossegue:  
“Somente isso pode explicar a esquizofrenia de nossos artistas e intelectuais de esquerda, que admiram o socialismo,mas adoram também três coisas que só o capitalismo sabe dar: -“Bons cachês em moeda forte, ausência de censura e consumismo burguês”.
Roberto Campos, grande economista, foi embaixador, ministro, senador e deputado.

  E DEFINIU O QUE É O PT, EM FRASE GENIAL:
"O PT é o partido dos trabalhadores que não trabalham, dos estudantes que não estudam e dos intelectuais que não pensam".    
 

Reeleita nas urnas e derrotada no Congresso

 Prerrogativas do Congresso

 

Dilma amarga dura derrota na Câmara
com derrubada de
decreto autoritário
 
 



 
 
A presidente Dilma Rousseff sofreu derrota emblemática na Câmara na noite desta terça-feira (28), apenas dois dias após ser reeleita.
 
Após inúmeras tentativas de partidos aliados ao governo de postergar uma decisão, o plenário aprovou o projeto (PDC 1491/14) que anula o decreto presidencial dos conselhos populares. A oposição considera que o decreto acabaria com prerrogativas do Congresso Nacional. Desde o início da votação, o PT lançou mão de vários requerimentos, mas não teve sucesso.

O líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), disse que a Política Nacional de Participação Social pretende inverter a lógica da democracia representativa. “Com esse decreto, a presidente Dilma quer que a escolha dos representantes do povo seja feita pelo governo do PT”, afirmou.
O projeto, de autoria do líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE), obteve apoio da oposição e de partidos da base, como PMDB e PP. Para Vanderlei Macris (SP), a medida é inconstitucional e tira as prerrogativas do Legislativo. “Entendemos que a presidente exorbitou do poder de regulamentação”, alertou.

Antonio Carlos Mendes Thame (SP) defendeu o projeto que derruba o decreto. “É importante que cada deputado leia o texto antes de votar. Ele diz que os órgãos públicos deverão considerar as instâncias de participação social para a formulação, execução, monitoramento e avaliação de seus programas e políticas públicas”, frisou o tucano. “Ou seja, são esses órgãos da democracia direta que vão dar a última palavra, e isso não está entre os mecanismos de democracia direta previstos na própria Constituição”, completou.
 
O mais grave do projeto, acredita Mendes Thame, é a forma como os integrantes dos conselhos seriam escolhidos. O decreto cria um sistema de participação e os integrantes de cada instância, assim como a forma de participação, seriam definidos pelo secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho.
 
 
Também sobre o assunto: