Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

domingo, 18 de junho de 2017

História de ministros do STF - O QUE FIZERAM OS MILITARES!


Este é para você, amigo ou inimigo, que defende uma onírica ‘Intervenção Militar’ como salvação para a quadra política e institucional medonha e insuportável vivida no Brasil neste momento d...
 
 A história não contada dos 11 ministros do STF
Quem são eles?

Vejamos, pois, a biografia de cada uma de Vossas Excelências:
CELSO DE MELLO – indicado ministro pelo dono do Maranhão, José Sarney, depois de trabalhar no seu governo. Dividiu apartamento com José Dirceu nos tempos de estudante universitário em São Paulo. Antes disso, havia sido burocrata no Ministério Público de São Paulo.

MARCO AURÉLIO DE MELLO – indicado ministro por seu primo, o famoso coronel das Alagoas, Fernando Collor de Mello. Virou ardoroso defensor do PT após sua filha, Letícia de Mello, ser indicada Desembargadora Federal por Dilma Rousseff no Tribunal Regional Federal da 2ª Região, em 2014. Antes disso, foi burocrata no Tribunal Superior do Trabalho.

GILMAR MENDES – indicado ministro pelo sociólogo Fernando Henrique Cardoso, depois de trabalhar no seu governo como Advogado Geral da União. Sua esposa trabalha no escritório do lobista jurídico Sérgio Bermudez, advogado de Eike Batista. Não por coincidência, Gilmar Mendes soltou Eike Batista da cadeia.

RICARDO LEWANDOWSKI – indicado ministro pelo líder da quadrilha petista, L--- da Silva. Sua mãe era amiga pessoal da esposa de L---, Dona Marisa. Antes disso, foi secretário da Prefeitura de São Bernardo do Campo, berço do PT e do peleguismo. Durante o julgamento do impeachment de Dilma Rousseff, rasgou a Constituição brasileira ao dividir a votação das penas a que Dilma seria submetida. Com isso, favoreceu a ex-presidente, que não teve seus direitos políticos cassados. Seu filho é advogado no escritório de advocacia Tauil e Chequer, responsável pela compra da refinaria de Pasadena, que lesou milhões de brasileiros e deu início às investigações da Operação Lava -Jato. Quem também atua nesse escritório é Luís Inácio Adams,  ex- Advogado Geral da União de Dilma Rousseff.

CARMEN LÚCIA – indicada ministra por L--- da Silva. Foi da Procuradoria Geral do Estado de Minas Gerais.

DIAS TOFFOLI – indicado ministro pelo líder da quadrilha petista, L... da Silva. Foi advogado do PT e assessor de José Dirceu na época do mensalão. Reprovado duas vezes no concurso para juiz do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, foi aprovado pelo Senado Federal para virar ministro do Supremo Tribunal Federal. Tendo sido assessor de José Dirceu, votou pela soltura de seu ex-chefe.

LUIZ FUX – indicado ministro pelo líder da quadrilha petista, Lula da Silva. Sua filha, que atuava no escritório de Sérgio Bermudez– sim, o mesmo escritório em que trabalha a mulher de Gilmar Mendes –, foi indicada desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro por Pezão, atual governador do Rio e melhor amigo de Sérgio Cabral, ex-governador preso na Operação Lava -Jato.

ROSA WEBER – indicada ministra pela guerrilheira Dilma Rousseff. É uma das melhores amigas do ex-marido de Dilma, Carlos Araújo, ex-assaltante de bancos e advogada de sindicatos em Porto Alegre. Antes disso, foi burocrata no Tribunal Superior do Trabalho.

LUÍS ROBERTO BARROSO – indicado ministro pela guerrilheira Dilma Rousseff. Foi advogado do terrorista Cesare Battisti. Seu antigo escritório foi contratado por 2 milhões de reais pela Eletronorte (empresa estatal federal). Antes disso, foi burocrata na Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro.

LUIZ EDSON FACHIN – indicado ministro por Dilma Rousseff. Pediu votos para Dilma Rousseff na campanha presidencial de 2010. Professor da Universidade Federal do Paraná, apoiou a criação de turma especial para os militantes do MST dentro da Faculdade de Direito. Sua filha, advogada da empresa estatal Itaipu, já foi condenada por litigância de má-fé pelo próprio STF. Foi procurador do Estado do Paraná. 

ALEXANDRE DE MORAES – indicado ministro pelo atual presidente, ex-vice de Dilma Rousseff. Foi secretário de Gilberto Kassab e de Geraldo Alckmin.

Depois de ler tudo isso, você continua surpreso com a decisão tomada pelo STF de soltar José Dirceu?

Esse é apenas o início do desmonte da Operação Lava -Jato. 



Momentos antes de sair da cadeia, José Dirceu disse o seguinte:
“Nada será como antes e não voltaremos a repetir os erros. Seguramente, voltaremos com um giro à esquerda. Não se iludam vocês e os nossos. Não há caminho de volta. Quem rompeu o pacto que assuma as consequências”.