Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

quinta-feira, 15 de junho de 2017

SENTIMENTOS



Já imaginaram o que estão sentindo os mais simples presidiários ao verem esse entre e logo sai que se tornou moda entre os ladrões metidos na política.  Meliantes  que  nem  tiveram tempo de saber que gostinho tem  ser punido por seus crimes nesse país?


Como será que se sente um presidiário ao ver que um parlamentar  ainda se dá o direito de  não ter sua cabeça raspada, de acordo com sua vaidade . 


O que sentirá um mero ladrão ao ver que os  advogados do político conhecido como o homem da mala, foi atendido ao pedir que seu cliente saísse da PAPUDA, para evitar maiores perigos à sua integridade física? FÍSICA, NÃO MORAL!

 
Como ficarão os sentimentos dos sambistas que sentirão uma tremenda  'cosquinha nos pés'  ao se privarem de ver a entrada no Sambódromo das  Escolas do Grupo Especial no Carnaval de 2018, já  que fizeram a ameaça de não se apresentar,  caso a Prefeitura insista em cortar a verba que sempre lhes foram concedidas? 

 
'Crivella disse ontem que vai tirar o dinheiro do carnaval para dobrar (de R$ 10 para R$ 20) o valor diário gasto com cada uma das 12 mil crianças matriculadas em 158 creches conveniadas com o município." - https://oglobo.globo.com/rio/escolas-do-grupo-especial-ameacam-nao-desfilar-em-2018-se-prefeitura-cortar-verba-21471080#ixzz4k6jrJibm


Sabemos que, para o pastor Crivella,  a vida das criancinhas tem menos importância que as viagens que vive fazendo ao redor do mundo, com o dinheiro de quem não pode nem pagar um  ônibus,   mas a doação feita por uma cidade abandonada, à beira da falência, com escolas e hospitais sem condições de poder prestar o mínimo de atendimento a quem está quase à morte, seria uma 'benesse' infeliz.