Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

domingo, 10 de maio de 2015

A corrupção será derrotada - Roberto Klitgaard

 
"Para roubar milhares, arruinam-se milhões."
 
 
Sobre uma possível derrota dessa corrupção indecorosa que tomou conta do nosso país, e consequentemente do nosso bolso, Roberto Klitgaard, em sua entrevista à revista VEJA, foi bastante enfático.
 
Segundo ele,   "combater a corrupção não pode ser uma tarefa relegada a pregadores.  É preciso adotar uma abordagem  pragmática.  Você deve quebrar monopólios, limitar o poder de arbítrio de dirigentes e aumentar mecanismos de transparência".
 
Segundo ele, que já foi a vários países para estudar como a corrupção 'se comporta', não é apenas a falta de moral do indivídou que o leva a ser corrupto e a corromper quem lhe der mais vantabens.  É também um ambiente propício e as oportunidades que surgem.
 
 
 
 
 
"A corrupção tem menos a ver com paixões do que com oportunidades. 
Se as condições forem propícias,
haverá um incentivo para eque ela ocorra.
TRATE, PORTANTO, DE ELIMINAR ESSAS CONDIÇÕES"
 
 
 
 
Seria necessário:
 
- quebrar monopólios
- limitar o poder  de arbítrio dos dirigentes
- dar mais trasnsparência aos jornalistas, aos centros de estudo, ou às consultorias, tornando bem visível a todos o que é feito.
 
 
"É sempre fundamental não poupar  peixes grandes."
 
 
"Quando o  cinismo se instala, é preciso auebrr o equilíbrio,
e uma forma de fazer isso e punindo quem parece intocável."
 
 
 
Roberto Klitgaard termina sua entrevista dizendo: 
"... o Brasil não seria capaz de avançar nessa batalha? Um  país com economia pumante e diversificada, com democracia consolidada, com instituições cada vez mais maduras tem tudo para reduzir a praga da corrupção. ... "