Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

domingo, 10 de maio de 2015

Suspeita ronda o mundo


Enquanto algus brasileiros têm absoluta certeza, alguns meios de comunicação do mundo inteiro, talvez por falta de coragem ou algum acordo 'educativo', se reduzem a suspeitas. 
CUIDADO, TODOS ESTÃO DE OLHO 'NOCÊ'
 
Imprensa estrangeira repercute reportagem de ÉPOCA sobre L---  
New York Times, El País, Reuters e Barron's publicaram notícias sobre suspeitas do MPF de que ex-presidente facilitou contratos do BNDES para empreiteiras
 
REDAÇÃO ÉPOCA - 02/05/2015
                                                                                                                             
A suspeita do Ministério Público Federal (MPF) de que o ex-presidente Luiz Inácio L--- da Silva facilitou negócios para empreiteiras como a Odebrecht, com ao menos US$ 4,1 bilhões do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), conforme publicou ÉPOCA na reportagem de capa desta semana, repercutiu entre principais veículos do mundo...  no sábado (dia 2).

O The New York Times, dos Estados Unidos, publicou que “o ambiente político do Brasil estremeceu na sexta” com a publicação de ÉPOCA. “A notícia vem num período difícil para o governo do PT, com o senhor Da Silva e sua sucessora, Dilma Rousseff, lutando contra pedidos de impeachment por causa do escândalo de propinas na companhias nacional de petróleo”.

O El País, da Espanha, também lembrou do péssimo momento vivido pela presidente. “Essa guerra de denúncias deixa claro que o governo Dilma pode enfrentar uma batalha similar à Lava Jato, para desgastar ainda mais sua desgastada governabilidade”, escreveu.

A reportagem de ÉPOCA foi repercutida também pelo Barron’s, revista econômica americana que pertence ao grupo do The Wall Street Journal. “Ainda não sai fumaça da arma, mas a investigação expõe a presidente Dilma Rousseff a mais problemas políticos e econômicos”.

A agência de notícias britânica Reuters ressaltou que uma porta-voz do MPF confirmou uma investigação preliminar sobre L---, cujo prazo é de 90 dias para decidir se o ex-presidente cometeu algum crime de tráfico de influência e para abrir uma investigação formal.