Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Livro de Mujica fala sobre o Senhor BOMBINHA


'Mujica, em livro, relata confissão de Lula sobre mensalão'

 Cristina Tardáguila  

"Um livro-reportagem do ex-presidente do Uruguai conta os cinco anos de seu governo.  Em suas páginas podemos ver uma  “confissão” que o ex-presidente BOMBINHA  teria feito em 2010.  

Nome do livro:   “Una oveja negra al poder” (Uma ovelha negra no poder), escrito pelos jornalistas uruguaios Andrés Danza e Ernesto Tulbovitz, ainda sem data para chegar ao Brasil, Mujica relembra um dos encontros que teve com L---. Relata que, ao falarem sobre o escândalo do mensalão, que consistia na compra de apoio político, o petista lhe teria dito que aquela era “a única forma de governar o Brasil”.

De acordo com o relato de Mujica, quando o assunto veio à tona, numa reunião feita em Brasília nos primeiros meses de 2010, L---, o Sr. BOMBINHA, lhe teria dito textualmente: “Neste mundo tive que lidar com muitas coisas imorais, chantagens”. Para logo em seguida, emendar: “Essa era a única forma de governar o Brasil”. Segundo Mujica, o ex-vice-presidente uruguaio Danilo Astori estava na sala e também ouviu a “confissão” do petista.

L--- sempre negou saber do escândalo do mensalão (até porque ele nunca soube de nada, que o comprometesse com coisas ruins!). Em agosto de 2005, pouco depois de o caso vir à tona, o então presidente fez um discurso dizendo que se sentia “traído por práticas inaceitáveis das quais nunca tivera conhecimento” e que estava “tão ou mais indignado do que qualquer brasileiro” diante do episódio. Depois, passou a afirmar que a existência do esquema nunca havia sido comprovada e que seus colegas de partido tiveram uma punição política.

Procurado no fim da tarde desta quinta-feira pelo GLOBO para comentar o conteúdo do livro, o Instituto L--- informou que não teria “como encaminhar um comentário a essa hora” e pediu que as palavras de Mujica não fossem reproduzidas parcialmente. Na obra, o uruguaio também diz que admira L--- e que ele é um “baixinho bárbaro (*)”.
 
... "
 
(*) a palavra 'bárbaro' pode ter dois significados :  bárbaro seria, inicialmente, um sujeito  tosco, rude, inculto, grosseiro;  seria uma pessoa selvagem, um vândalo. Em contraparida significa também:  fenomenal, excelente.