Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

quarta-feira, 13 de maio de 2015

PT “APARELHOU” O SUPREMO

Recebido por email
 
 
Wagner faz distinção entre os ministros nomeados pelo PT e os outros
 
Carlos Newton
 
O comentarista Wilson Baptista Jr., sempre atento, nos envia uma surpreendente e estarrecedora declaração do ministro da Defesa, Jaques Wagner, que reclamou da repercussão da chamada PEC da Bengala, a emenda constitucional que aumenta para 75 anos a idade limite para exercer cargo público, cuja aprovação na Câmara vem sendo considerada como mais uma derrota do governo.
 
Reportagem de O Globo, assinada por Catarina Alencastro, Luiza Damé e Juliana Castro, transcreve a seguinte afirmação do ministro Wagner:
 
“Acho uma bobagem aqueles que estão falando que tirou dela a possibilidade de indicar cinco ministros
porque os cinco que sairiam sem a PEC da Bengala, três foram indicação dela ou do presidente L---.
Dois deles, os ministros Marco Aurélio e o Celso de Mello,
são tipicamente ministros que não têm um carimbo de padrinhos políticos,
são ministros que trabalham pelo seu saber jurídico.
Então, não acho que isso tem a ver com o Executivo.”
 
 
TRADUÇÃO SIMULTÂNEA
 
Ao nos enviar a matéria, Wilson Baptista Jr. fez a seguinte indagação: “Quando o Jaques Wagner diz que ‘três foram indicação dela ou do presidente L---. Dois deles, os ministros Marco Aurélio e o Celso de Mello, são tipicamente ministros que não têm um carimbo de padrinhos políticos, são ministros que trabalham pelo seu saber jurídico’, o que você acha que ele está dizendo sobre o trabalho do Toffoli?”
 
A observação do comentarista é perfeita, por ser público e notório que Dias Toffoli jamais teve notório saber jurídico e nem mesmo reputação ilibada, pois estava respondendo a processos. A meu ver, porém, a declaração do ministro da Defesa é ainda mais grave, por considerar que entre os cinco ministros do Supremo perto de se aposentar, apenas Celso de Mello e Marco Aurélio Mello não têm “carimbo de padrinhos políticos” e “trabalham pelo seu saber jurídico”.
 
Ou seja, Wagner entende que os outros três (Ricardo Lewandowski, Rosa Weber e Teori Zavascki), que foram indicados e nomeados pelos governos petistas, têm carimbo de padrinhos políticos e não trabalham pelo seu saber jurídico.
 
“APARELHAMENTO”
 
Sem a menor dúvida, o ministro da Defesa simplesmente reconheceu o “aparelhamento” do Supremo Tribunal Federal pelo PT, algo que, na História deste país, só tinha acontecido antes nos governos militares ditatoriais.
 
Quanto a Toffoli e Lewandowski, os dois não têm jeito mesmo, estão pouco ligando. Mas será que Rosa Weber e Teori Zavascki também vão manchar suas biografias, comportando-se como áulicos do Planalto, como Jaques Wagner diz que se deve esperar? Tenho minhas dúvidas.
 
***
 
O que levaria um ministro petista a  admitir tais asneiras? 
Seria a conhecida capacidade de fazerem tudo o que quiserem, isentos das regras ou normas legais? 
Até quando  'eles' terão enormes vantagens acima de seus verdadeiros,
que pagam seus salários nababescos ?