Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

segunda-feira, 27 de abril de 2015

DEPUTADOS RETIRAM A MEDALHA DADA A STÉDILE


RECEBIDO POR EMAIL

 
Assunto: [resistencia-democratica] FW: DEPUTADOS RETIRAM A MEDALHA DADA A STÉDILE.
 
 
Um bandido desses, em vez de estar preso por liderar ações terroristas contra o patrimônio alheio, fica solto e é até agraciado com comendas. Além de invadir, depredar a propriedade privada e destruir o bem público, esse marginal tem o apoio moral e até financeiro das autoridades que regem esse País. Enquanto isso, o cidadão de bem é obrigado a gerar provas contra ele mesmo ferindo frontalmente um dos artigos da Constituição. Ao ser parado numa blitz e obrigado a soprar um bafômetro, se negar a fazê-lo será preso de imediato.
 
 
Assunto: DEPUTADOS RETIRAM A MEDALHA DADA A STÉDILE.
DEPUTADOS RETIRAM A MEDALHA DADA A STÉDILE.
PARABÉNS!!!!!!
 
Os deputados do Bloco Verdade e Coerência, da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), protocolaram, nesta quarta-feira (22/04), Projeto de Resolução que susta os efeitos do ato que concedeu a Grande Medalha da Inconfidência a João Pedro Stédile. Segundo os parlamentares, na justificação do projeto, “o ato assinado pelo Governador fere de morte o disposto nos dois artigos, uma vez que por mais que se busque enquadrar o agraciado em um dos atributos condicionantes exigidos pelos textos legais não se consegue. A rigor, até, se ele, o Senhor João Pedro Stédile, possuir alguma notoriedade em seu saber ela o é criminal”.
 
Os artigos a que se refere a justificação são o art.1º da Lei 882/1952 – “Fica criada a medalha da Inconfidência, destinada a galardoar o mérito cívico de cidadão que, em Minas, se distinga pela notoriedade de seu saber, cultura e relevantes serviços à coletividade” – e o art. 1º do Decreto 36690/1997 – “A medalha da Inconfidência objetiva conferir ao agraciado, pessoa física ou jurídica, o reconhecimento do Poder Público Estadual à sua meritória e destacada contribuição ao desenvolvimento cultural, econômico e social do Estado e do País” .
 
Para o líder do Bloco Verdade e Coerência, deputado Gustavo Corrêa (DEM) ficou clara a postura do Fernando Pimentel do PT de colocar o governo de Minas a serviço da promoção de correligionários do partido e APADRINHADOS POLÍTICOS da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente L---.
 
“Estamos falando da maior honraria oferecida pelo Estado. Não vamos permitir que a história dessa importante comenda seja maNchada pelos ideais defendidos por Stédile, que são os da desordem, do desrespeito à coisa pública e ao bem privado. Em Minas, pregamos a liberdade e não a imposição de ideias e poder pela força, mas parece que o governo petista não comunga dos mesmos princípios”, explicou Corrêa.
 
A lista de agraciados do governador Pimentel contemplou ainda nomes de confiança da presidente Dilma, como o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que defendeu a absolvição dos petistas acusados no mensalão. O magistrado recebeu o Grande Colar da Inconfidência, o que demostra claramente o alinhamento do governo do Estado com os interesses do Partido dos Trabalhadores.
 
 
 
 
"A confiança do ingênuo é a arma mais útil do mentiroso." 
Stephen King