Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

terça-feira, 28 de abril de 2015

""Fiquei rico e NEM SABIA!""

 
Uma elite branca e rica
Os neoburgueses do dinheiro público.
 
 
ADRIANA VANDONI - A história bem-sucedida de um metalúrgico que se elegeu presidente e ficou rico
 
 - Ricardo Noblat -

''O sítio de Figueiredo era uma coisa modestíssima se comparado ao que L--- costuma usar e que tem 150 mil metros quadrados. Até se eleger presidente da República, L--- era uma pessoa de classe média média. Nem média alta ele era.  Morava em um apartamento de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, cedido por Roberto Teixeira, um advogado, seu amigo.

De repente, tornou-se um homem rico. Com apartamento próprio em São Bernardo. Apartamento de cobertura na praia de Guarujá. Sítio cinematográfico em Atibaia. Verdade que o sítio está em nome de um sócio de Lulinha. Que por sua vez mora em um apartamento da capital paulista avaliado em R$ 6 milhões.

O sítio foi reformado pela empreiteira OAS, uma das envolvidas na roubalheira da Petrobras. A OAS nada cobrou por isso. Empreiteira gosta de fazer favor a ex-presidentes. Uma delas, em 1984, presenteou o então general João Figueiredo, último presidente da ditadura de 64, com a reforma do seu sítio de 35 mil metros quadrados em Nogueira, na região serrana do Rio de Janeiro.

O sítio de Figueiredo era uma coisa modestíssima se comparado ao que L--- costuma usar e que tem 150 mil metros quadrados.  A um amigo dele que já morreu, e que comentou sobre sua vertiginosa ascensão econômica, L--- respondeu, debochado:

-- Só banqueiros e empresários podem enriquecer? Que preconceito é esse? Só por que eu fui metalúrgico?''
 
Os neoburgueses do dinheiro público. Uma elite branca e rica Publicado em 28 de abril de 2015 às 7:29 hs. A história bem-sucedida de um metalúrgico que se... - prosaepolitica.com.br
 
 
 
HUMOR NEGRO  (ou HUMOR AFRO ?):
 
Dizem que a reconstrução da cidade de Nepal custaria menos que reconstrução da Petrobrás. 
Ou seja, sai mais barato conviver com um terremoto do que com o PT.