Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Impeachment é desnecessário - artigo de Ricardo Setti


Os loucos às vezes tem cura. Os imbecis, nunca.
Oscar Wilde.


Jornalista aponta que
 Dilma pode ser obrigada a sair do poder
sem a necessidade de impeachment
 
 

O jornalista Ricardo Setti, da Revista Veja, relatou, por meio de artigo do jornalista Wilson Moherdaui, que a presidente Dilma Rousseff pode ser obrigada a sair do poder sem a necessidade de um processo de impeachment. Leia abaixo:

 
NEM PRECISA DE IMPEACHMENT: Se a Operação Lava-Jato provar que o tesoureiro do PT usou dinheiro do Petrolão na campanha de Dilma, a lei eleitoral determina que ela seja cassada. A lei federal nº 9.504, de 30 de setembro de 1997, que dispõe sobre as eleições, diz, no parágrafo 2.º do artigo 30-A:

 
 
“Comprovados captação ou gastos ilícitos de recursos,
para  fins eleitorais,
será negado diploma ao candidato, ou cassado,
se já houver sido outorgado”.
 

 
Será que alguém no Palácio do Planalto acha que essa lei se aplica ao caso da dinheirama captada como propina pelo tesoureiro do PT, João Vaccari, para as campanhas presidenciais?

 
Talvez por isso se comente, no centro do poder, que o impeachment é golpe.


Na verdade, o processo de impeachment não é golpe. É só perda de tempo: de acordo com a lei, se houve captação de recursos ilícitos, o diploma do candidato (ou da candidata, no caso) será cassado.
 
 
[A forma de fazer isso está no artigo 22 da Lei Complementar nº 64, de 18 de maio de 1990.]


Simples assim.
 

*Wilson Moherdaui, jornalista e empresário, é editor de Informática Hoje.
  
 
 
O mais engraçado é:
 
. O impeachment ser considerado um golpe agora que o PT (Partido da Trapaça)  está no poder, quando não foi visto assim na era Collor de Mello.
 
. Darmos importância ao que os outros pensam.  Estejamos certos ou errados, não importa.  O que importa é o que pensamos. E termos a humildade de admitir o erro, caso fique confirmado que erramos.