Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Quanto vale Lula? - Carlos Alberto Sardenberg

 
 16/04/2015 
 
 
Imaginem o anúncio: Petrobras vende L---/boa oportunidade/preço atraente.
Brincadeira, claro, mas tem um pé na realidade. No seu processo de limpeza e recuperação, a Petrobras vai “desinvestir” — ou seja, vai vender partes, de poços de óleo a usinas de gás e postos de gasolina. E entre esses ativos que podem ser liquidados está o poço de L---, um dos melhores do pré-sal, segundo reportagem do jornal “Valor Econômico”.
 
Os campos da Petrobrás recebem sempre o nome de peixes e frutos do mar. Daí o L--- — mas todo mundo sabe que foi uma escancarada badalação ao ex-presidente. Na época, a diretoria da Petrobrás entendia que L---, o homem, era o responsável pelo sucesso do pré-sal e pela dominância da estatal na exploração daquela área.
 
Poucos anos se passaram e, além da corrupção, se verifica que a Petrobras da era PT foi jogada numa trilha de má gestão e desperdício. Espantosa má gestão: não é fácil, por exemplo, gastar R$ 2,7 bilhões em projetos de duas refinarias para se concluir que, desculpa aí, eram inviáveis.
 
Toda essa gestão foi celebrada como a valorização e a defesa da estatal contra a privatização. Pois o que estão fazendo agora? Vendendo partes para fazer caixa, privatizando na bacia das almas, quando o preço do óleo está lá embaixo, assim como a credibilidade da estatal.
 
Sim, é um tipo de privatização, pois os compradores serão as grandes petrolíferas globais. A estatal ainda não oficializou nada, mas já contratou bancos para prospectar a venda de ativos. Em tese, até a BR Distribuidora pode ir no pacote.
 
Dependendo das circunstâncias, é claro, e que não são favoráveis. Quanto vale uma companhia envolvida na Lava-Jato? Quanto se deve descontar por futuros abatimentos por causa da corrupção?
 
Já L---, o poço, tem um alto valor intrínseco — é puro petróleo. Mas já não vale tanto quando o então presidente L--- e a então ministra Dilma iniciaram a mudança das regras do jogo de modo a tornar dominante o papel da estatal.
 
Levou tempo para se instalar um regime de exploração que hoje a própria diretoria da Petrobrás reconhece como inviável. A companhia não tem o dinheiro nem a capacidade de exercer aquele papel.
 
Logo, tem que encolher e, quem sabe, vender L---, o poço, inclusive para tornar mais atraente o pacote. Daí a pergunta: depois da Lava-Jato, do fracasso do modelo e da gestão, quanto vale L--- hoje?
 
E sabem quem vai decidir o preço?
 
O mercado.
 
Volta sete casas.
 
O Brasil fez tantas jogadas erradas no tabuleiro da economia global que acabou punido: volta sete casas e fica uma rodada sem jogar.
 
A rodada é esta de 2015. Tirante Rússia, Ucrânia, Venezuela e Argentina, as nações mais desastradas do bloco emergente, o resto está crescendo. A Índia avança várias casas, sua economia voa ao ritmo de mais de 7% ao ano. A China está no mesmo passo, os 7%, mas para os chineses isso é desaceleração. Na média, segundo dados do FMI, o grupo emergente cresce 4,3%, um pouquinho menos do que no ano passado, com perspectiva de suave aceleração para 2016.
 
Em resumo, recuperação desigual, moderada, mas avança. Entre os ricos, os Estados Unidos comandam o jogo, com crescimento esperado de 3,1%. A Europa também está em recuperação mais do que razoável — expansão do PIB na faixa de 1,5% nestes dois anos, o que está bom para os padrões históricos da região.
 
Sim, saiu da crise. Angela Merkel, chanceler alemã, líder incontestável do bloco, parece ter acertado em não seguir as lições dadas por Dilma Rousseff. Lembram-se? A presidente brasileira foi à Europa para esculhambar a política de austeridade e fazer propaganda de sua “nova matriz” econômica. Cada lado seguiu seu roteiro, e deu nisso aí.
 
O Brasil fica parado, tentando consertar os estragos feitos nos últimos sete anos. E consertar como? Com uma política de austeridade e ajustes que Merkel e o FMI consideram muito apropriada.
 
A economia brasileira, em obras de contenção, vai encolher algo como 1% do PIB. É muito. Coloque 1% em cima de um PIB estimado em R$ 5,4 trilhões.
 
Voltando várias casas, o Brasil se encontra com problemas do passado que pareciam resolvidos para sempre. Há sete anos, a economia brasileira alcançava o grau de investimento, concedido pelo mercado e pelas agências de classificação de risco. Hoje, o mercado internacional já cobra do Brasil juros de devedor especulativo. E o ministro Joaquim Levy coloca como objetivo central não perder o grau de investimento das agências — que lhe deram um tempo, na confiança.
 
A expectativa delas é que Levy, não Dilma, comande um processo de fazer tudo de novo: colocar a inflação na meta, voltar ao superávit primário, recuperar o superávit comercial, sanear as estatais e fazer o que foi esquecido — as reformas para abrir espaço ao investidor privado.
 
Tão difícil quanto vender L--- hoje.