Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Dilma e seus crimes

 
Felipe Moura Brasil
 
 
Crimes fiscais de Dilma aumentam sua ficha criminal

Vamos recapitular somente as revelações dos últimos dias.
 
Como presidente do Conselho de Administração da Petrobras:
 
1) Dilma Rousseff assinou em 2006 o contrato de implementação do Estaleiro Rio Grande – o mesmo por onde escoaram propinas de 100 milhões de reais para os cofres do PT e de aliados a partir de 2010, segundo a Operação Lava Jato.
 
2) Dilma Rousseff é inteiramente responsável pelos R$ 44,8 bilhões de prejuízo mínimo do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, cujas obras foram iniciadas durante a sua gestão.
 
3) Dilma Rousseff aprovou diretamente a compra de Pasadena, refinaria (hoje parada) com a qual a Petrobras teve um prejuízo de 659,4 milhões de dólares (mais de 2 bilhões de reais), parte dos quais em propinas, como admitiu Paulo Roberto Costa.
 
 
Como presidente da República:
 
1) Dilma Rousseff exaltou Belo Monte, a hidrelétrica pela qual a Camargo Corrêa pagou 100 milhões de reais em propina para PT e PMDB, de acordo com sua delação premiada.
 
2) Dilma Rousseff exaltou a Norte-Sul, ferrovia pela qual a Camargo Corrêa também admitiu o pagamento de propina.
 
3) Dilma Rousseff cometeu crimes fiscais em 2013 e 2014, segundo o procurador Júlio Marcelo de Oliveira, do TCU.
 
 
Seu parecer é claro:
 
“Os achados identificados pela equipe de auditoria confirmaram os indícios de irregularidades relatados na representação, ou seja, o Tesouro Nacional tem atrasado o repasse, às instituições financeiras, de recursos destinados ao pagamento de benefícios sociais (Bolsa Família, abono salarial e seguro-desemprego), previdenciários (INSS) e econômicos (subvenções em financiamentos bancários)”.
 
Mais ainda: os atrasos, conhecidos como “pedaladas fiscais”, eram propositais e serviam para maquiar as contas públicas, em detrimento das instituições financeiras, especialmente a Caixa Econômica Federal, mas também o Banco do Brasil e o BNDES (o caso BNDES, tem sido comentado de forma sutil. Vai se aproximando bem  devagar, mas é só esperar que ele chega).
 
Na representação, Júlio Marcelo de Oliveira pede que sejam convocadas a prestar esclarecimentos autoridades cúmplices na maquiagem, tais como:
 
- Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda;
- Nelson Barbosa, o atual ministro do Planejamento;
- Luciano Coutinho, o presidente do BNDES;
- Arno Hugo Augustin Filho, o secretário do Tesouro Nacional.
 
Se o ministro relator do caso no TCU, José Múcio Monteiro, usará o relatório para apresentar um pedido de impeachment, ainda não se sabe. Mas nós, brasileiros, usaremos a ficha criminal acima para gritar “Fora, Dilma!” no ato de 12 de abril.