Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

domingo, 3 de maio de 2015

Não é o fim da Lava-Jato

- Mirian Leitão -

"No governo, nas empreiteiras, no mundo político, muita gente respirou mais aliviada desde que a segunda turma do Supremo Tribunal Federal decidiu, por um voto de diferença, liberar os empresários presos em Curitiba. Eles já saíram da prisão e voltaram para as suas casas portando suas novas tornozeleiras. A partir daquele momento, a Operação Lava-Jato entrou em nova fase."

...
"O Brasil vive um tempo louco, em que parece normal que a libertação de nove suspeitos reduza a tensão no governo. É anomalia com a qual já nos acostumamos nestes tempos estranhos. Os dirigentes do país deveriam estar interessados em que a verdade aparecesse."
  
"O brasileiro é um politraumatizado com os escândalos em série aos quais foi exposto nos últimos anos e, por isso, tende a achar que a partir da liberação dos acusados tudo volta à estaca zero. O país já viu tanta pizza, tanto tratamento diferenciado para os poderosos, que é natural que surja o medo de que nada mais aconteça na Operação Lava-Jato, dado que os empreiteiros foram soltos. Há impacto, sem dúvida; é um retrocesso, sim, mas não é o fim da operação."
 
...
 
"Esta operação é a melhor chance que nós já tivemos de combater a relação promíscua entre empreiteiras, estatais e políticos no Brasil. A investigação e o processo têm efeito político relevante, e isso é que atrai as atenções, mas vai além da política. A economia tem muito a ganhar com um ambiente de negócios sem os vícios exibidos pela Operação Lava-Jato. Sem os sobrepreços, os descuidos propositais nos contratos, os acordos entre empresas para dividir as licitações da estatal, a economia será mais eficiente e mais competitiva. A corrupção tem mais esse efeito nocivo: ela torna a economia ineficiente."
 
 
Artigo completo
 
 
Muitos sabem que houve uma manobra para 'secar' de vez
com a operação LAVA-JATO.
 
Mas ela não acabará assim tão facilmente,
ao menos é o que muitos esperam.
 
Muitas bolhas ainda vão explodir. 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 'COINCIDÊNCIA'
 
 HABEAS CORPUS PROVIDENCIAL

 
 O Supremo Tribunal Federal  põe em prisão domiciliar nove empreiteiros da Lava Jato. Até aí tudo bem, afinal o habeas corpus (a expressão completa é habeas corpus ad subjiciendum) é uma garantia constitucional. O que torna estranho é esta decisão ter sido tomada  pela 2.ª turma  do STF pouco depois de ter vazado, propositadamente pelos interessados, a informação de que o chefão da bandidagem e dono da UTC Engenharia, Ricardo Pessoa, teria ameaçado a elite governante e periféricos com a delação premiada. Fato esse que mostraria a cara e jogaria no centro do furacão os dois principais bandidos que comandaram essa podridão na Petrobras, e hoje homiziados um no Palácio do Planalto e o outro em São Bernardo do Campo. É verdade que todos nós sabemos quem são, só a "justiça" brasileira faz de conta que não sabe. 
  Humberto de Luna Freire Filho, médico