Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

sábado, 14 de março de 2015

Pátria Amada ou Armada?


Meu amigo Flávio Bierrenbach (advogado, ex-diretor da UNE, político tarimbado, ex-ministro do STM e exímio piloto, inabalável mesmo diante das mais  apavorantes  cumulonimbus) disse-me uma coisa que custei a acreditar: que na nossa volumosa, polpuda Constituição Federal, onde os interesses de todos e de cada foram  definidos e resguardados, apenas uma vez é mencionado o termo Pátria.
 
Fui checar pessoalmente a Constituição: ...Princípios Fundamentais, nada de Pátria;...  Dos Direitos e Garantias Fundamentais, nada também; Dos Direitos Sociais, Da Nacionalidade, Dos Direitos Políticos; Dos Partidos Políticos; da Organização Político-Administrativa; da União, nada,nada,nada,nada!

Foi preciso chegar ao Artigo 142 (de um total de 250), sobre as Forças Armadas, para lá encontrar a menção única: “(As Forças Armadas) são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”.

O que terá se passado para que o conceito de Pátria fosse praticamente ignorado pelos obviamente patriotas Constituintes? Terão confundido Pátria com patriotada? Ou terá sido por vergonha de empregar o termo, por achar que Pátria seria uma referência apenas aceitável nas ordens do dia dos militares? Pátria Amada seria o mesmo de Pátria Armada?

Pode também ter sido por mero esquecimento: tantos interesse particulares, concretos e objetivos, precisavam ser cuidados, que não sobrou muita atenção para se cuidar da Pátria.
Pátria é nossa terra natal ou adotiva, à qual estamos ligados por laços afetivos, espirituais, históricos e jurídicos. Poderia também ser Mátria, um ou outro termo simbolizando o ente do qual todos somos parte, com intensidade mais forte do que costumamos imaginar. Pátria é coletivo, é o conjunto de todos nós, é o Povo, a Sociedade, o Estado. Quando se trata a Pátria com descaso, destrói-se aquela massa agregadora, espécie de cimento cívico, que junta numa só coisa partes que tomadas individualmente parecem díspares e desconexas.
 
Precisamos urgentemente reintroduzir o conceito de Pátria em nossas vidas e na vida do Brasil. No nível pessoal, reforçaremos nosso sentimento de fazer parte de um admirável conjunto de pessoas, reunido num território excepcionalmente belo e promissor. No nível político, quem sabe, mais Pátria, mais patriotismo, seria o caminho para se introduzir a decência e a seriedade que tanta falta fazem nos dias de hoje, onde a busca do poder raramente  é para se fazer o bem geral, mas muito mais comumente para se trapacear e roubar.
 
15 DE MARÇO
TODOS NA RUA
DE VERDE E AMARELO