Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

domingo, 22 de março de 2015

'TÁ' NA HORA

 Ao que parece o PMDB vem querendo se afastar a cada dia mais do PT e de suas "idiossincrasias". 
 
Até poderia ser um grande aliado quando o partido da trambicagem tinha  a simpatia desse povo enganado que acordou. 
 
Se o povo acordar de uma vez não sobrará mais  espaço (nem ministério)  para partido nenhum.
 
ONDE ESTÁ O DESPERTADOR? 
 ***** 
 
MINISTÉRIOS ATUAIS : (e coisitas que assim são consideradas) 
Advocacia-Geral da União - Luís Inácio Adams;
Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Kátia Abreu (*);
Banco Central - Alexandre Tombini  (Banco Central não deveria ter 'status' de ministério);
Casa Civil - Aloizio Mercadante
Cidades - Gilberto Kassab;
Ciência, Tecnologia e Inovação - Aldo Rebelo;
Comunicações - Ricardo Berzoini;
Controladoria-Geral da União - Valdir
Simão (pelo jeito, nunca controlou porríssima alguma);
Cultura - Juca Ferreira (****);
Defesa - Jaques Wagner;

Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - Armando Monteiro;
Desenvolvimento Agrário - Patrus Ananias (*);
Desenvolvimento Social e Combate à Fome - Tereza Campello;
Educação - Cid Gomes (****);
Esporte - George Hilton;
Fazenda - Joaquim Levy (**);

Gabinete de Segurança Institucional - José Elito Carvalho Siqueira (***);
Integração Nacional - Gilberto Occhi;
Justiça - José Eduardo Cardozo;
Meio Ambiente - Izabella Teixeira;
Minas e Energia - Eduardo Braga;
Pesca e Aquicultura - Helder Barbalho;
Planejamento, Orçamento e Gestão - Nelson Barbosa (**);
Previdência Social - Carlos Gabas;
Relações Exteriores - Mauro Vieira;
Saúde - Arthur Chioro;
Secretaria da Micro e Pequena Empresa - Guilherme Afif Domingos;

Secretaria de Assuntos Estratégicos - Marcelo Neri;
Secretaria de Aviação Civil - Eliseu Padilha;
Secretaria de Comunicação Social - Thomas Traumann;
Secretaria de Direitos Humanos - Ideli SalvattiS;
ecretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - Nilma Lino Gomes;
Secretaria de Políticas para as Mulheres - Eleonora Menicucci;
Secretaria dos Portos - Edinho Araújo;
Secretaria de Relações Institucionais - Pepe Vargas (***);
Secretaria-Geral da Presidência - Miguel Rossetto;

Trabalho e Emprego - Manoel Dias;
Transportes - Antonio Carlos Rodrigues;
Turismo - Vinicius Lages
 
 UFA! CANSEI!
 
Os 'ministérios' em letras vermelhas são importantes ?
Depois de ler a relação acima, você respeita algum ministro? 
Ou melhor, acha que eles merecem o respeito que dão a você? 
 
NB.: Os ateriscos (*), (**), (***) e (****) são ministérios que cuidam das mesmíssimas coisas, pela lógica de seus nomes.

*****  
 
Veja como nº de ministros, que PMDB quer reduzir a 20,
saltou de 12 para 39   
 
chamadaO número de ministros no Executivo federal, que o PMDB agora quer reduzir a 20, foi multiplicado desde os anos 90 para facilitar a cooptação de aliados no Congresso. De apenas 12 no governo Collor, a quantidade de pastas cujos titulares são considerados ministros saltou para as atuais 39.


Pela estratégia do PMDB, o número seria limitado por meio de uma proposta de emenda à Constituição apresentada em 2013 pelo hoje presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ). Veja aqui o texto proposto.
 
Os peemedebistas procuram se distanciar do desgaste enfrentado pelo PT, que, em pleno período de ajuste fiscal, mantém um número recorde de ministérios e cargos de livre nomeação, que hoje somam 22,9 mil.
 
Se levada adiante, a medida dificilmente significará uma economia relevante de dinheiro: como a quase totalidade do funcionalismo público tem estabilidade no emprego, os servidores das pastas extintas serão simplesmente realocados nas pastas remanescentes.
 
Um ministério mais enxuto, porém, pode, ao menos em tese, proporcionar uma gestão de governo melhor. O atual inchaço do primeiro escalão torna mais difícil o processo de tomada de decisões, além de dividir políticas públicas entre diferentes pastas, muitas vezes de posições contraditórias.
 
Um exemplo sempre citado é a cisão do antigo ministério da Agricultura e Reforma Agrária em duas pastas -a primeira defendendo interesses do agronegócio; a segunda, hoje, aliada ao movimento dos sem-terra.
 
A proliferação de ministros foi acelerada na administração petista, que operou a aliança partidária mais ampla e heterogênea desde a redemocratização. Houve, ainda, a criação de secretarias especiais dedicadas a temas caros ao PT, como direitos humanos, igualdade racial e direitos das mulheres.
 
 
O PMDBosta está querendo se fazer de bonzinho? 
Chega de tapeação, pois político bom é político M - - - - .
(ao completar os pontinhos  é bom lembrar que palavra começa com a letra  M e tem cinco letras) 
 
 
VAMOS ?