Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

A carta de Temer foi um soco no estômago da presidente

 

O artigo acima foi escrito por REYNALDO ROCHA.  Dizem que a 'nata' do PMDB considerou coisisnha de criança a carta que Temer enviou à Presidente .  Se foi coisa imatura ou não, serviu como um soco no estômago  que o PMDB deu no  PT, que, aparentemente,  já está com seus dias contados! 


“Menino, não mexe com quem está quieto”. É um dos conselhos de avós que um dia todos escutamos. Dilma e seus assessores desastrados avaliaram que o melhor a fazer era mexer com Michel Temer. Que estava quieto como vice-presidente, cargo que se notabiliza não por ter poder, mas pela expectativa de poder. Vice só entra em campo se o titular está machucado. Ou tomou cartão vermelho. Quem conhece minimamente a história do Brasil sabe disso. O último exemplo foi Itamar Franco. Fernando Collor não o suportava e a recíproca era verdadeira. Bastou o primeiro cartão amarelo para Itamar ir para o aquecimento.
 
Não farei juízo de valor sobre Temer. É uma esfinge. A formação intelectual e acadêmica o faz um ponto fora da curva. Temer não pensa com o fígado. É cerebral, frio e bom de cálculo. Tem a lógica dos juristas. Enfim, Temer é o profissional em um campeonato de amadores.
 
Todos os seus passos, desde a aceitação do pedido de instalação do processo de impeachment, foram estudados e dados com precisão cirúrgica. Calou-se. Deixou Brasília, Esteve com a moribunda por breves 30 minutos. Reuniu-se com empresários num almoço de “amigos” ─ por mera coincidência, estava presente Geraldo Alckmin. Proferiu palestra desancando a política econômica dos governos do PT, e fez questão de dizer que foi um erro alterar a linha seguida por FHC. Foi aplaudido.
 
Chamado a Brasília, foi até lá. Mas não para atender Dilma. Preferiu reunir-se com o PMDB. Mais um desmentido na sucessão de “arapucas” (como definiu Temer) armadas pelo Planalto. Todas foram desmontadas. A tentativa de emparedar o vice foi um fracasso. O objetivo era obrigá-lo a ser um crítico ao processo instaurado. Deu errado. Hoje ele é – mesmo em silêncio: existem silêncios que gritam – o maior apoiador do impeachment de Dilma.
 
A carta de Temer endereçada a Dilma é um soco no estômago. Irrespondível. Inquestionável. Como o PMDB irá reagir? Aceitará a exposição pública do estupro praticado repetidamente? E a turma do Planalto? Vai assobiar e olhar para o teto fingindo que nada aconteceu? Alguém por lá consegue escrever uma carta? E, pior, com alguma resposta?

 
Nada indica esse caminho. Certamente algum “amarra-cachorro” irá se manifestar em nome da governabilidade, responsabilidade cívica etc. Além de juras de amor eterno e argumentação que nos remetem a um casamento no qual o PMDB (no papel de mulher de malandro) gosta de apanhar. O PT gosta de bater… Casamento perfeito.

 
Um Picciani da vida, junto com Sibá, José Guimarães e outros, caiu do caminhão de mudança. Será que sabem o caminho de volta? É nisso que dá chamar um profissional que estava quieto no seu canto.
 
O jogo só começou.
 
 
GOOOOOOL !