Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Operação Zelotes - ATÉ AGORA !

Polícia Federal faz buscas em escritório da empresa de filho de L--- - Na quarta fase da Operação Zelotes, a Polícia Federal foi autorizada a investigar o escritório de Luis Claudio Lula da Silva

http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/policia-federal-faz-buscas-em-escritorio-da-empresa-de-filho-de-lula/

Polícia Federal faz buscas em escritório da empresa de filho de Lula
Operação Zelotes investiga organizações criminosas envolvidas nas fraudes do Carf (Foto: Flickr)


A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta segunda-feira, 26, uma nova fase da Operação Zelotes e foi autorizada a fazer busca e apreensão na LFT Marketing Esportivo, escritório de Luis Claudio L. da Silva, filho do ex-presidente Luiz Inácio L. da Silva. Até o momento, a PF já prendeu cinco suspeitos de envolvimento com fraudes no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).
 
Os lobistas Alexandre Paes Santos, José Ricardo Silva e Mauro Marcondes Machado – vice-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) – foram detidos na operação. Machado é acusado de negociar interesses de montadoras com conselheiros do Carf. Até o momento apenas um suspeito do Piauí escapou da ação policial.
 
A Operação Zelotes foi deflagrada no dia 26 de março deste ano e investiga organizações criminosas que atuavam na manipulação do resultado de julgamentos no Carf, conhecido como “tribunal da Receita”. Até a última operação, deflagrada no dia 8, as fraudes apuradas pela PF junto ao Carf já somavam prejuízos de, pelo menos, R$ 5,7 bilhões aos cofres públicos.
 
A quarta fase da operação aponta que um consórcio de empresas também negociava incentivos fiscais para empresas automobilísticas. “As provas indicam provável ocorrência de tráfico de influência, extorsão e até mesmo corrupção de agentes públicos para que uma legislação benéfica a essas empresas fosse elaborada e posteriormente aprovada”, afirma nota da polícia.
 
A PF afirma em comunicado que cerca de 100 policiais cumprem 33 mandados judiciais, sendo seis de prisão preventiva, 18 de busca e apreensão e nove de condução coercitiva no Distrito Federal e nos estados de São Paulo, Piauí e Maranhão.
 
 
O escritório sofreu busca e apreensão da PF em outubro. 
Mas até agora o filho do ex-presidente da República não foi preso!