Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

terça-feira, 14 de julho de 2015

Acordos, conchavos e acertos


Coligação é igual a amor de carnaval.
Começa na convenção partidária e termina no dia da eleição.”
Ronaldo Caiado, político filiado ao DEM

 
AFASTAMENTO DE DIMA TORNOU-SE  MOTIVO DE DISCUSSÃO
 
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reuniu-se com o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes e com o deputado Paulinho da Força (SD-SP) , dirigente da segunda maior central sindical do país, para avaliar o cenário da atual crise política, incluindo um processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.
O agravamento da crise foi discutido em detalhes pelos ‘mandatários’ que se reuniram  na última quinta-feira (9). para avaliar  o problema criado.
Um pedido de cassação dificilmente poderá ser  aprovado no tribunal, pois a  corte se encontra dividida sobre o tema.  Discutiram também a abertura de um processo de impedimento na Câmara contra a PresidentA . A Constituição exige que hajam 342 votos a favor para que um pedido de impeachment  seja aberto.
“... Paulinho da Força afirmou, conforme relatos, que um processo de impedimento da presidente só iria para frente por meio de um acordo que passasse por quatro pessoas: Cunha, o vice-presidente Michel Temer (PMDB), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o presidente do PSDB, Aécio Neves (MG).   Um arranjo desses , segundo os desenhos projetados, resultaria em um "parlamentarismo branco" a partir de um eventual impeachment: Temer compartilharia o poder com os presidentes da Câmara e do Senado e governaria em uma espécie de triunvirato até as eleições de 2018.
Disse um parlamentar (cujo nome ainda é desconhecido, mas isso não faz diferença nenhuma) , que o clima político para um afastamento da presidentA será possível apenas  depois que o TCU (Tribunal de Contas da União) julgue as contas do ano passado do governo, meio ano depois , diga-se de passagem .  
Dizem que a tendência é que a corte as reprove, o que parece cada dia mais difícil de acontecer.
"É possível que se tenha falado da contagem de votos, coisa do tipo. É possível que eu tenha dito que, dependendo das provas do processo, pode até ter unanimidade". "Caso haja provas substanciais, minha expectativa é que haja unanimidade, mas não disse que só se poderia cassar por unanimidade", concluiu o ministro.
Já o presidente da Câmara deu versão distinta: "Eu não tenho intimidade com ele [Gilmar] para tratar de um assunto assim. A frase do Paulinho foi a seguinte: se, com 513 [deputados na Câmara], as pessoas ficam na dúvida, imagine com sete [ministros do TSE]", disse Cunha à Folha.
 
 Maiores detalhes:
 
 
*****
 
Sobre o chamado Paulinho da Força  (https://pt.wikipedia.org/wiki/Paulo_Pereira_da_Silva)
- CANDIDATURAS: 
Foi candidato a vice-presidente em 2002 ; foi candidato a prefeito de São Paulo.  Ao se candidatar à  deputado federal por São Paulo foi eleito com  uma estrondosa e espantosa votação ( 6º candidato mais votado do Estado e o 12º do país)  Depois voltou a se candidatar a  prefeito de São Paulo.

CONDENAÇÕES: 
Foi condenado em 2011 a pagar multa civil de cerca de R$ 1 milhão por improbidade administrativa na aplicação de R$ 3 milhões em recursos públicos. Conforme a sentença do juiz João Batista Machado, da 1ª Vara Federal de Ourinhos, a quantia será revertida para a União. Ainda caberá recurso4 . Os R$ 3 milhões seriam usados para comprar uma fazenda no interior de São Paulo e assentar no local 72 famílias, e os proprietários das terras teriam se beneficiado com sobrepreço no imóvel, que, segundo avaliação de peritos do Ministério Público Federal, valia R$ 1,29 milhão. A compra foi realizada por R$ 2,3 milhões. Na época, a Força Sindical, presidida por Paulinho, participava do conselho do Banco da Terra, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que liberou os recursos. A ação pedia ainda a perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos do deputado, o que foi negado pelo Juiz5 .

PREÇO:
Paulinho da Força foi pago para evitar greves (Delator da Lava Jato diz que doou a Paulinho da Força para evitar greves_ - Em delação premiada, o dono do grupo UTC, Ricardo Pessoa disse que a doação oficial a Paulinho da Força (SD), de R$ 500 mil nas eleições de 2012, foi motivada para evitar paralisações nas obras da usina de São Manoel, na divisa entre Pará e Mato Grosso; ele também citou o repasse para a campanha do deputado petista Luiz Sérgio, que teria relação com a montagem de equipamentos da usina nuclear de Angra 3; ele foi prefeito de Angra entre 1993 e 1996 e também presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do município.
 
QUE A DILMA CONTINUE ATÉ O FINAL DO SEU MANDATO PARA FAZER O QUE TEM FEITO ATÉ AGORA:
ACABAR DE VEZ COM O Partido DE Trapaceiros,
DESDE QUE NÃO ACABE TAMBÉM COM O PAÍS.