Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Análises do palavrório de um homem desesperado

 
 
''Nossa querida Dilma tem que levantar a cabeça e dizer: eu ganhei as eleições.
E governar o país. 
 Não pode ficar dando trela senão ficamos paralisados. ''
 
O que está acima foi o palavrório do ex-presidente que antecedeu Dilma e a apresentou ao eleitorado.   Na mesma ocasião, se queixou do  que chamou de
condenação antecipada da imprensa e da oposição.  
 
 
"Nós ganhamos a eleição e parecemos envergonhados.
Provavelmente quando disse NÓS estaria se referindo  ao desmoralizado PT-Partido de Trapaceiros.   E o fato de parecerem envergonhados, talvez seja por causa do escândalo da PETROBRÁS, em seguida de outros que foram surgiram.  É para qualquer um se mostrar envergonhado
 
 
Ao demonstrar suas escusas ligações  com a CUT e o MST, um expert em invasões dos terrenos alheios,  o ex-presidente disse ainda que
"Em vez de ficarmos chorando,
vamos defender o que é nosso  (NOSSO?).
Defender a Petrobras é defender a democracia e
 defender a democracia é defender a continuidade do desenvolvimento social nesse país.
 Quero paz e democracia,
mas também sabemos brigar.
Sobretudo quando o Stedile colocar o exército dele nas ruas.
 
O ex-presidente estaria se referindo a um exército pertencente a João Pedro Stedile?  Mas que exército seria esse?  Desde quando pode ser chamado de exército um grupo de invasores de terrenos que já têm donos?  Pode ser considerado um exército uns invasores criminosos que têm donos?   Seria o grupo liderado por João Paulo Stédile um exercito paralelo já conhecido e apoiado pelo ex-presidente da República?  
 
 
Todo esse palavrório está no vídeo
 
 
 
 Trecho escrito por Rodrigo Constantino
 
Há anos que os críticos do MST apontam a localização estratégica dosassentamentos” e a convocação de um “exército” de bandidos prontos a atuar em prol da “revolução marxista” dos piratas disfarçados de “movimento social”. Agora, aquilo que era sabido, mas falado por poucos, vem à tona dito de forma direta e escancarada pelo próprio líder do motim. L--- enxerga no MST um exército pronto para lutar por seus interesses, ou seja, pela perpetuação no poder ainda que de forma ilegítima e ilegal. 
 
É o discurso de um trombadinha, de um delinquente, de um marginal. Mas de alguém bastante desesperado também. E essa tem sido a marca dos petistas. Estão com medo, com muito medo de perderem suas tetas estatais e de pararem na cadeia. Os “soldados” da CUT, outro exército informal do PT, também parecem prontos para lutar, não em defesa da Petrobras, pois isso exigiria cobrar mais investigações e tirar os bandidos da estatal, tudo o que querem evitar, mas sim pela manutenção da camarilha no poder. 
 
Os “militantes” se transformam cada vez mais em milicianos, como na admirada Venezuela, que agora mata até adolescentes nos protestos contra o governo. Os encrenqueiros do PT e da CUT resolveram partir para a grosseria e a violência contra aqueles que gritavam “Fora Dilma” e pediam o impeachment da presidente. É a linguagem do PT, não de hoje, mas de sempre. O uso ou a ameaça do uso de violência para substituir a falta de argumentos. 
 
“A tentativa de intimidação é uma confissão de impotência intelectual”, disse Ayn Rand. O PT é impotente do ponto de vista intelectual. Restava-lhe o populismo e a demagogia, e agora que o custo de tanta incompetência, trapalhada e roubalheira está aparecendo, a reação do partido é o pânico que leva a tais ameaças.
 
Enquanto os petistas e os sindicalistas violentos faziam ato “em defesa da Petrobras”, a estatal sofria o rebaixamento da nota de investimento pela agência de risco Moody’s. Que irônico! A presidente Dilma, sem ter o que dizer, preferiu culpar o mensageiro e alegar que há desconhecimento por parte da agência. Sem dúvida. Se houvesse mais conhecimento, a empresa já teria sido rebaixada faz tempo! A Operação Lava-Jato tem trazido parte da sujeira à luz, mas ainda é pouco perto do que os petistas fizeram com a estatal, e ainda existem várias outras estatais por aí…
 
Cientes disso, os petistas sabem que não será possível contar com os truques do marqueteiro João Santana para sempre. ... Os governistas estão perdendo as estribeiras. Estão acuados, e ratos acuados se tornam perigosos, violentos. Temem o império das leis, as investigações dos órgãos estatais, a insatisfação crescente da população, cansada do pior índice de inflação dos últimos 12 anos, da recessão, da bagunça nas contas públicas, do caos no transporte, na saúde, na educação. ....
 
O clima é de desencanto, que pode rapidamente levar ao desespero eleitoral está claro para todos. O discurso da presidente Dilma, de tentar culpar FHC pelo que se passa na Petrobras, pegou muito mal, e nem os “intelectuais” endossaram tamanha baboseira. O PT já ensaia até uma nova tentativa de reaproximação do PMDB, como medida preventiva.
 
Por qualquer ângulo que observamos, o que podemos notar é o desespero dos petistas. E não é para menos! Eles destruíram o Brasil nos últimos anos, e a conta apenas começou a chegar. A fala de L--- sobre o “exército de Stédile” talvez seja o mais claro sintoma desse medo. É um apelo baixo, uma jogada de quem se vê cada vez mais contra a parede. Mas o Brasil não vai temer esse “exército” de criminosos. O Brasil não é a Venezuela de Maduro, e isso aqui não é a casa da mãe Joana. Se o MST tomar as ruas, o legítimo Exército Nacional estará lá para impor a ordem e a lei. Disso não tenho dúvidas…