Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Ministros e seus escândalos - Governo de Dilma


 
FONTE: JUS BRASIL (18/02/15)
  
Em meio a um dos maiores escândalos de corrupção da sua história envolvendo a Petrobras, o Brasil melhorou três posições no ranking sobre a percepção da corrupção no setor público divulgado em dezembro de 2014 pela ONG Transparência Internacional. De acordo com o ranking, neste ano o Brasil ocupa a 69ª colocação em um ranking que avaliou 175 países e territórios. Apesar da melhora, o Brasil continua atrás de países como Chile, Uruguai, Ruanda e Botsuana. O diretor para Américas da ONG, Alejandro Salas, diz que a posição brasileira é uma "vergonha".
 
E de fato esta posição é vergonhosa para o Brasil e esta situação se dá pelas atitudes de políticos, pela falta de respeito ao povo brasileiro, pelo egoísmo ao colocar seus interesses, opiniões, desejos e necessidades em primeiro lugar, em detrimento a este povo que batalha para ganhar seu salário e manter sua família com dignidade.
 
Já publicamos, há um mês matéria informando que 8 dos 13 ministros indicados por Dilma estão envolvidos em escândalos. Hoje, infelizmente, conforme matéria abaixo estamos publicamos mais 11 casos de ministros escolhidos por Dilma que também estão envolvidos em escândalos.
 
1- RICARDO BERZOINI - Ministério das Comunicações
 
Escândalo dos Aloprados  - Ricardo Berzoini, o novo ministro das Comunicações de Dilma, esteve envolvido em vários escândalos de corrupção, desvio de recursos e também ficou conhecido por ter chefiado o Escândalo do Dossiê ou Escândalo dos Aloprados. Na época, houve prisão em flagrante, a 15 de setembro de 2006, de alguns integrantes do PT acusados de comprar um falso dossiê, de Luiz Antônio Trevisan Vedoin, com fundos de origem desconhecida. O dossiê acusaria o candidato ao governo do estado de São Paulo pelo PSDB, José Serra, de ter relação com o escândalo das sanguessugas. O suposto plano seria prejudicar Serra na disputa ao governo de São Paulo, no qual seu principal adversário na disputa era o senador Aloizio Mercadante. Supostamente, não só Serra era alvo, pois também haveria acusações contra o candidato à presidência Geraldo Alckmin. As investigações e depoimentos dos suspeitos demonstraram que o conteúdo do dossiê contra políticos do PSDB era falso.
 
2 – JUCA FERREIRA – Ministro da Cultura
Marta Suplicy denuncia Juca Ferreira por supostas irregularidades em contratos
Ex-ministra da Cultura, Marta Suplicy enviou à Controladoria-Geral da União (CGU) documentos sobre supostas irregularidades em contratos de R$ 105 milhões firmados pela gestão de Juca Ferreira, que reassume cargo hoje, com uma entidade ligada à Cinemateca Brasileira; em entrevista à jornalista Eliane Cantanhêde, ela também disparou críticas ao PT e a líderes como L---, Rui Falcão e até a presidente Dilma.
 
3 - ARMANDO MONTEIRO – Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior -
Procuradoria-Geral da República pediu a instauração de inquérito contra Armando Monteiro
Armando Monteiro (PTB) - INQUÉRITO - STF Nº 2611
A Procuradoria-Geral da República pediu a instauração de inquérito em 11/8/2007. Segundo a Procuradoria, surgiram indícios de participação da Destilaria Gameleira “no esquema fraudulento que resultou na liquidação do Banco Mercantil”. Diz que o banco e a empresa eram controlados pela mesma pessoa jurídica.
 
Motivação/objeto e provas: - Em 11/8/1995 foi decretada pelo Banco Central a intervenção no Banco Mercantil. Em 20/7/2005, o Ministério Público Federal em Pernambuco ofereceu denúncia contra os administradores do Mercantil. Em 9/8/1996, após instaurar o inquérito, o superintendente da Polícia Federal em Pernambuco aponta "gravidade dos fatos narrados”
Descrição dos principais fatos do andamento: - Em 11/4/1995, a Destilaria Gameleira depositou em sua conta corrente no Banco Mercantil sete cheques no valor de R$ 1,8 milhão sacados contra o Banco Agrimisa. Em 17/4 o Banco Agrimisa devolveu os cheques por falta de fundos. Mas o banco não tirou o valor depositado da conta da destilaria.
 
Em 11/8/1995 foi decretada pelo BC intervenção no Banco Mercantil. Em 20/7/2005, o MPF de Pernambuco ofereceu denúncia contra os administradores do banco Mercantil, com base em indícios colhidos pelo Banco Central.
 
-Em 22/11/2005, a Procuradoria-Geral da República pede a documentação da administração da Gameleira para a Junta Comercial do Mato Grosso. Em 4/5/2006, a PGR repete o mesmo pedido dando prazo de 20 dias. A resposta vem em 15/5/2006. Em 14/8/2006, a PGR pede, novamente, à Junta Comercial os integrantes da diretoria da Gameleira em 1995 e 1996, “com urgência”.
 
-No dia 12/6/2010 depôs Armando Monteiro, que disse não ter conhecimento de operações financeiras irregulares, alvo do inquérito.
 
-Em 13/10/2010, o ministro Ricardo Lewandowski determina o arquivamento do caso, seguindo determinação da PGR.
 
4 - ARTHUR CHIORO – Ministro da Saúde
Improbidade administrativa
Arthur Chioro (PT), ministro da Saúde após intervenção do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na reforma ministerial, é alvo de investigação do Ministério Público de São Paulo (MPSP), por improbidade administrativa.
 
Em setembro do ano passado, a promotora Taciana Trevisoli Panagio, que atua em São Bernardo do Campo, instaurou inquérito civil público para apurar a denúncia de que Chioro, além de comandar a pasta municipal, é dono de uma empresa da área que prestava consultorias para prefeituras petistas.
 
5 - MANOEL DIAS – Trabalho e Emprego
Irregularidades em convênio com ONG
A Polícia Federal requereu a abertura de inquérito contra o ministro do Trabalho, Manoel Dias, representante do PDT na Esplanada. Ao investigar irregularidades em convênio firmado com uma ONG que recebeu R$ 11 milhões do ministério, a PF concluiu que há indícios de envolvimento do ministro nos malfeitos. Por isso, pediu à Justiça que remeta o processo ao STF, órgão do Judiciário responsável por processar e julgar autoridades que, como os ministros, detêm o chamado foro por prerrogativa de função-vulgarmente chamado de foro privilegiado.
 
6 - ANTÔNIO CARLOS – Ministro dos Transportes
Alvo de 4 investigações
Ex-vereador de São Paulo e suplente de senador que exerceu o cargo por pouco mais de dois anos, agora como ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues (PR), já foi alvo de quatro investigações. Livrou-se de punição em um caso, ainda responde em outros dois e pode voltar a responder num terceiro.
O processo que mais avançou é de 2006, quando o Tribunal de Justiça confirmou uma condenação de perda de direitos políticos por seis anos e indenização de R$ 70 milhões (em valores atualizados), numa ação de improbidade administrativa.
Carlinhos, como é conhecido, era acusado de contratar ilegalmente uma empresa de locação de mão de obra na EMTU (Empresa Metropolitano de Transportes Urbanos de São Paulo) quando era seu diretor-presidente, em 1992, na gestão do governador Luiz Antônio Fleury Filho.
 
7 - IDELI SALVATTI – Direitos Humanos
Escândalos das ONGs
Ideli Salvatti, hoje Ministra da Secretaria dos Direitos Humanos, beneficiou ONG de assessor no Senado quando exercia mandato de senadora, a ministra direcionou recursos do Orçamento, por meio de emendas, para beneficiar ONG ligada a um assessor dela no Senado, noticiou"O Globo"em 26. Ago.2011.
 
O caso foi relatado pelo deputado Fernando Francischini (PSDB-PR), informou o jornal. O tucano quer que a ministra seja convocada para prestar esclarecimentos na Câmara.
 
Envolvimento
Em 2011, VEJA revelou que em 4 de setembro de 2006 Ideli participou de uma reunião no gabinete de Mercadante com três aloprados - Expedito Veloso, Osvaldo Bargas e Jorge Lorenzetti. Ideli ficou com uma cópia de uma lista com números de cheques e fotos de um empresário já falecido, que, na montagem da farsa, seria apresentado como o elo com os tucanos. A senadora passou a oferecer o material à imprensa. Onze dias depois, os 'aloprados' Gedimar Passos e Valdebran Padilha foram presos.
 
O que aconteceu
Empregou a filha do 'aloprado' Jorge Lorenzetti em seu gabinete no Senado. Perdeu a disputa pelo governo de Santa Catarina e foi nomeada ministra por Dilma. O ex-deputado federal Carlos Abicalil foi cotado para ser seu secretário-executivo.
 
Entenda o escândalo
Em março de 2012, reportagem do jornal O Estado de S. Paulo revelou que o Ministério da Pesca torrou R$ 31,1 milhões na aquisição de 28 lanchas-patrulha com as quais não têm o que fazer: a pasta não tem competência para fazer patrulha, nem lugar para guardar as lanchas. A compra foi acertada na gestão de Altemir Gregolin, do PT catarinense, em 2009. Quem ganhou o negócio foi uma empresa de Santa Catarina, a Intech Boating, de propriedade de um ex-militante do PT. Feita a encomenda, a empresa foi procurada por um emissário da Pesca atrás de doações para a campanha de 2010. Cedeu 150 mil reais. O dinheiro entrou para o caixa do PT catarinense, que bancou a maior parte da campanha de Ideli Salvatti ao governo do estado. Ideli perdeu disputa e acabou escalada por Dilma para suceder Gregolin no ministério da Pesca, quando então quitou parte da dívida com a Intech: 5,2 milhões de reais.
 
8 - GUILHERME AFIF DOMINGOS – Secretaria da Micro e pequena empresa
Escândalos dos amigos
Empresa ligada a Afif Domingos ganha R$ 10 mi na Gestão de Kassab. Empresa que tinha como sócio-diretor o ex-secretário estadual do Emprego e das Relações de Trabalho, Guilherme Afif Domingos (DEM), a Indiana Seguros S/A já recebeu mais de R$ 10 milhões da gestão do prefeito Gilberto Kassab, seu colega de partido. O valor equivale a dois anos e meio de contrato da Companhia Metropolitana de Habitação (Cohab) para cobertura dos riscos de morte e invalidez de mutuários e de danos físicos das unidades habitacionais.
 
9 - MIGUEL ROSSETTO – Secretaria Geral da Presidência
Escândalo do Petrolão
Miguel Rosseto, na época ministro do Desenvolvimento Agrário, hoje Ministro da Secretaria Geral da Presidência, terá que apresentar explicações ao TCU (Tribunal de Contas da União) sobre a compra de duas refinarias de biodiesel no sul do país pelo preço de R$ 200 milhões. A aquisição foi feita pela Petrobras Biocombustível no período em que Rosseto dirigia a companhia. Para o TCU, há indícios de irregularidades na aquisição por ela ter sido comprada descumprindo normas da estatal e por quase o dobro do valor que a proprietária anterior havia pago meses antes. A denúncia partiu da Comissão de Agricultura da Câmara. O relator do processo no TCU, ministro José Jorge, considera que o processo é semelhante ao da compra da Refinaria de Pasadena, nos EUA, pela Petrobras. Rosseto participou da equipe de coordenação da campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff. Ele é cotado para se manter no ministério, mas em pasta de maior importância. As usinas de biocombustíveis são em Marialva (PR) e Passo Fundo (RS). Elas foram adquiridas entre 2009 e 2011 da empresa BSBios.
 
10 - PEPE VARGAS – Ministro da Secretaria das relações Institucionais
Fraude no Pronaf
 

Novo Ministro e amigo de Dilma, Pepe Vargas,

é conhecido da PF por fraude do Pronaf

Sai um, entra outro. Sai Gilberto Carvalho, entra Pepe Vargas, envolvido em um escândalo muito recente, onde o cumprimento dos mandatos foi abortado por ordem do MPF. Saiba por que o escândalo do Pronaf protagonizado pelo PT do RS é um crime contra a humanidade.
 
O médico Carlos Alberto Reis Lima, do município de Amaral Ferrador, Vale do Rio Pardo, região onde se concentra o grosso dos produtores gaúchos de fumo, disse esta tarde que o que acontece na região é um crime contra a humanidade, conduzido pelo PT. A escandalosa fraude do Pronaf já levou ao suicídio pelo menos 10 dos 114 casos de suicídio registradas na área nos últimos 3 anos. Venâncio Aires, na região, é campeã mundial de suicidos, segundo a OMS. A PF está investigando os crimes.
 
No dia 2 de outubro, quando 60 agentes da Polícia Federal preparavam-se em Santa Cruz do Sul para iniciar a execução de mandatos de busca e apreensão no âmbito do Escândalo do Pronaf, desembarcou ordem vinda do Procurador Geral da República, baseada em decisão do STF, suspendendo tudo.
 
A explicação foi de que a operação poderia “tumultuar o processo eleitoral” em curso.
 
Leia-se o seguinte: a operação amplificaria dramaticamente as investigações da chamada Operação Colono, prejudicando as campanhas de Tarso Genro e Dilma Roussef.
 
Rodrigo Janot é agora o Engavetador Geral da República do governo do PT.
 
A Operação Colono investiga fraudes de proporções terríveis, envolvendo líderes do PT, como o deputado Elvino Bohn Gass e o ex-ministro do MDA, Pepe Vargas, tudo por conta de empréstimos fraudulentos do Pronaf, envolvendo ONGs aparelhadas pelos petistas, entre elas o Movimento dos Pequenos Agricultores, que consistia em falsificação de empréstimos para pequenos e pobres agricultores no âmbito do Pronaf, cujos recursos eram usados por dirigentes partidários em suas campanhas eleitorais e despesas pessoais no RS. Os pequenos agricultores não recebiam o dinheiro, mas o Banco do Brasil acaba executando todos eles, alguns com dívidas não contraídas de até R$ 70 mil, levando desespero e morte a centenas de lares. 7.300 pequenos agricultores da região do fumo foram lesados.
 
Os jornais Folha de S. Paulo, Zero Hora e A Gazeta, esta de Santa Cruz do Sul, epicentro do caso, foram fundo na revelação do inquérito em andamento, inclusive com grampos, revelando a mancebia entre os líderes gaúchos do PT, MDA e Banco do Brasil
 
A Polícia Federal está furiosa com o MPF que o impede de levar avante as investigações e está disposta a indiciar todo mundo sem levar adiante a Operação Colono.
Quarta-feira, 29 de outubro de 2014
Polícia Federal ainda não retomou a Operação Colono (Escândalo Pronaf) Nada justifica que a Polícia Federal continue sem retomar os mandatos de busca e apreensão que iniciou no dia 2 de outubro no âmbito da Operação Colono.
 
O Escândalo do Pronaf é de grandes proporções e atinge em cheio lideranças do PT, com ênfase para Santa Cruz e Vale do Rio Pardo.
 
O cumprimento dos mandatos foi abortado por ordem do MPF, que conseguiu para isto autorização do STF. A ação terá pouco efeito-surpresa neste momento, porque quem tinha que esconder alguma coisa, teve tempo mais do que suficiente para fazer isto, mas ela é essencial para produzir provas, já que os mandatos permitirão levantar dados do dia a dia dos envolvidos.
 
11 - ALOÍSIO MERCADANTE – Casa Civil
Escândalos dos Aloprados
Envolvimento
O coordenador da campanha de Aloizio Mercadante ao governo de São Paulo, Hamilton Lacerda, foi filmado entrando com uma mala no hotel onde seriam presos dois dos aloprados. O adversário de Mercadante em 2006 era José Serra, um dos alvos do falso dossiê. Em 2011, VEJA revelou conversas com colegas de PT em que o 'aloprado' Expedito Veloso diz que Mercadante foi mentor e um dos arrecadadores do dinheiro para a montagem da farsa de 2006.
 
O que aconteceu
Mercadante afastou Lacerda em 2006. Foi indiciado. Para a PF, o dinheiro do dossiê saiu do caixa 2 de sua campanha ao governo. Como Mercadante era senador, o caso foi para o STF, que anulou o indiciamento por falta de provas. Mercadante perdeu o governo de São Paulo para Serra naquele ano e para Alckmin em 2010. Foi escalado ministro da Ciência e Tecnologia por Dilma. Por causa das revelações de Expedito Veloso, foi convidado a esclarecer no Senado suas ligações com o escândalo. Disse que a compra do dossiê foi obra de petistas adeptos do vale-tudo eleitoral e que não sabia de nada. Em 2012, deixou a Ciência e Tecnologia para assumir a Educação.
 
EMPRESA DE FILHO DE ALOIZIO MERCADANTE FATURA R$148 MILHÕES NO GOVERNO
A Petra Energia S/A, que tem como vice-presidente Pedro Barros Mercadante Oliva, filho do ministro Aloízio Mercadante, faturou R$ 148,1 milhões do governo federal entre 2013 e 2014, quando o petista se transformou no poderoso chefe da Casa Civil. Segundo o Sistema Integrado de Informações Financeiras do Governo Federal (Siafi), a verba foi empenhada pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, que foi comandado pelo mesmo Aloizio Mercadante nos anos de 2011 a 2012.
 
12 - José Guimarães - Líder do Governo
Escândalo dos dólares na cueca

Assessor José Guimarães foi flagrado em 2005 com dinheiro escondido. Saída de Henrique Fontana se dá após embate com Eduardo Cunha

Em busca de uma reaproximação com sua base no Congresso Nacional, Dilma decidiu trocar o comando da liderança do governo na Câmara:
 
Sai Henrique Fontana (PT-RS) e assume o ex-líder do PT José Guimarães. O petista Guimarães tem como uma de suas principais marcas um mal explicado episódio em que seu assessor foi encontrado com dinheiro escondido na cueca.
 
Com quase meio milhão de reais. Uma parte do valor (US$ 100.559,00) que seria destinada ao partido estava escondida na sua cueca, peculiaridade que o colocou no anedotário político. Virou até marchinha de Carnaval.
 
 
O PT É UM PARTIDO CONFIÁVEL?