Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

terça-feira, 10 de março de 2015

PANELAÇO E REPULSA



 
"Nossa autoestima enquanto cidadãos  irá às alturas e os políticos que vierem a nos governar doravante terão sempre em mente que não somos um rebanho de ovelhas. "
 
 
"JAMAIS se esqueçam que a crise institucional é o penúltimo passo do catecismo gramscista para a tomada do poder. Vamos assumir a dianteira e colocar a coroa sobre nossas cabeças, porque se não o fizermos, alguns aventureiros com certeza lançarão mão dela. " 
 
 
"Não se deixem confundir: No Rio de Janeiro, a manifestação será em Copacabana e a concentração se iniciará às 09h30 no Posto 5."
 
 
Os  trechos em destaque, 
na  cor verde
foram escritos pelo Cel. José Gobbo Ferreira
--------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
 
"Após panelaço, Dilma rejeita 'terceiro turno".
 

Às vésperas da realização de uma série de manifestações pró-impeachment em diversas cidades brasileiras, marcadas para o próximo domingo (15/03), a presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda que a sociedade brasileira está amadurecida e não vai aceitar "rupturas democráticas". Dilma, no entanto, afirmou que os panelaços promovidos por brasileiros ontem à noite durante a exibição do seu pronunciamento em rede nacional de rádio e TV é fato "da regra democrática".
 

"Eu acho que há de caracterizar razões para o impeachment (*), e não o terceiro turno das eleições. O que não é possível no Brasil é a gente também não aceitar a regra do jogo democrático. A eleição acabou, houve o primeiro e o segundo turno", disse Dilma a jornalistas, depois de participar de solenidade no Palácio do Planalto em que sancionou lei que tipifica o crime do feminicídio.
 - Dilma Rousseff - 
 
Acima estão os comentários da PersidentA  sobre o Panelaço e as vaias  durante a transmissão do seu pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão neste domingo, no Dia  das Mulheres, data escolhida crente que estaria escolhendo um dia que deixaria as eleitoras se sentirem agraciadas  com suas palavras.  Além disso, se nossa PresidentA lesse o que dizem alguns juristas, ou fosse mais honesta em seus conceitos, saberia que  muitos deles acham  que mesmo seu nome não constando da lista de Janot,  haveria motivo de sobra para que fosse pedido o seu IMPEACHMENT.
 
Numa forma de enganar de novo quem nela votou,  Dilma tentou passar a ideia de que o panelaço estaria mais  de acordo com a vontade de um terceiro turno.   Ou seja, apenas  os eleitores descontentes com o resultado das  eleições estariam  descontentes.  Ela se enganou ou quis enganar os idiotizados?   Tanto o panelaço como qualquer outro tipo de manifestação tem a ver com a insatisfação de um povo que já percebeu suas fraudes e manobras numa campanha eleitoral mentirosa.  Onde prometeu uma coisa e fez outra, como teria que fazer qualquer presidente por  causa da economia do país que foi à bancarrota, levado ao fundo do poço por governos petistas, que vieram para destruir nosso Brasil.  
 
Na intenção de confundir o povo brasileiro e/ou  desqualificar  a reação popular, o PT-Partido das Trapaças  está espalhando vários argumentos para desencorajar o povo a ir para a rua demonstrar sua insatisfação.    São datas e horários diversos, ou o uso da palavra 'golpe', constantemente  usada por petistas sempre que existe  alguma reação contrária a eles. 
 
 
O movimento de 15 de março nada terá de golpe
e será bastante tão legítimo..
 

Ao se referir aos "panelaços" e vaias, Dilma disse que na democracia é preciso "conviver com a diferença", como se a repulsa fosse às eleições e não a ela (ao seu governo). 
 
Mais informações em