Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

sábado, 11 de julho de 2015

NOVA BANDA


Governo estuda fixar margem de tolerância para a meta fiscal
Martha Beck//O GLOBO
 
Valor economizado para pagar juros poderá variar dentro de um intervalo, como ocorre com a inflação
 
A equipe técnica do Ministério do Planejamento quer aproveitar a discussão sobre a revisão da meta de superávit primário (economia para o pagamento de juros da dívida pública) de 2015 para fazer um debate mais amplo sobre política fiscal. Fontes do governo informaram ao GLOBO que uma ideia defendida é a adoção de bandas para o resultado primário, algo parecido com o que existe hoje para a inflação. Na política monetária, o Banco Central (BC) persegue uma meta central, de 4,5%, mas há uma margem de tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. É o que os economistas chamam de teto da meta. A partir de 2017, esse intervalo será aumentado para 1,5 ponto.


Teremos, portanto, uma nova banda.
 
 
 
E  SUA  POUPANPÇA, COMO VAI ?