Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

DESCARRILHOU


NO JORNAL O GLOBO DE HOJE: notícias mal escritas ou propositalmente tendenciosas - claro que talvez  seja um erro de interpretação, mas parece até que pretendem 'sujar' o Lava-Jato. É PRECISO TER MUITO CUIDADO AO ESCREVER, PORQUE EXISTE O PERIGO DE SER MAL INTERPRETADO.

“Corte de verba e Lava-Jato levam à demissão de 8,2 mil operários na Oeste-Leste e Norte-Sul” –  SE NÃO HOUVESSE ROUBALHEIRA A LAVA JATO NÃO SURGIRIA
“ ...  as obras em ferrovias no país  estavam entre as prioridades do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) “
“ O envolvimento de construtoras na Operação Lava-Jato também contribuiu para o atraso. Na prática, a redução de vagas colaborou para o aumento do desemprego e a recessão.”   Em seguida ao TÍTULO NA PRIMEIRA PÁGINA:  O corte de verbas e a Lava-Jato levaram, em 2015, à dispensa de 8.200 operários nas obras das ferrovias ...”
Para os desavisados, que são muitos,  parece até que a Lava Jato seria uma das culpadas  pelo atraso imoral das ferrovias que eram mostradas como prioridade na época de campanhas eleitorais. 
O texto do jornal usa termos como   redução do ritmo de obras, queda no orçamento, demissão de funcionários etc. como se tudo tivesse começado apenas no ano de 2015, quando as tais obras comentadas no artigo do jornal já deveriam estar prontas há muito tempo atrás, bem antes de um anoa tão fatídico.   Seria  absurdo dizer que o aperto nas contas do anos de 2015 foram muito importantes no entrave que CONTINUA HAVENDO no país. A  reportagem,  em momento algum, comenta sobre o dinheiro da União que foi ‘desviado’ .
A razão principal para a redução no ritmo das obras foi a queda no orçamento disponível para os investimentos da Valec, assim como outras estatais federais. Essa demora nos repasses, inicialmente, levou as construtoras a atrasar salários e, depois, a efetivamente demitir empregados em cronogramas pactuados com os sindicatos. Daí a queda gradual de empregos ao longo do ano. Segundo a Valec, o orçamento empenhado pela estatal em 2014 foi de R$ 2,6 bilhões. No ano passado, esse valor caiu a R$ 1,8 bilhão, refletindo a restrição orçamentária.
Os problemas havidos no ano passado podem ter ajudado ao entrave de  obras que já  deveriam  estar prontas, mas esses problemas  não deveriam ser enfrentados, nem usados como desculpa,   se tais obras PRIORITÁRIAS já tivessem sido terminadas no tempo correto.  Exemplo: A Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), teve sua construção iniciada em dezembro de 2010.  Já chegamos ao ano de 2016
“A construção da Fiol atravessou uma série de contratempos desde o início das obras, que incluem a suspensão de licenças ambientais (cerca de seis meses de interrupção); derrocada da construtora Delta, que era sócia de um lote; problemas em um consórcio entre OAS e Galvão Engenharia, que se envolveram na Operação Lava-Jato; indicação de sobrepreço nas obras pelo Tribunal de Contas da União (mais seis meses de parada nos canteiros); e questionamento pelo TCU do modelo de compra dos trilhos em licitação internacional”.SE NÃO HOUVESSE FALTA TANTA ROUBALHEIRA E APROVEITAMENTO ILÍCITO, NÃO HAVERIA COnTRATEMPOS. 

“Perguntado sobre as obras do PAC, consideradas prioritárias no ano passado, o Ministério do Planejamento informou que, em 2015, até 30 de dezembro, o PAC empenhou R$ 33 bilhões e pagou R$ 38,2 bilhões. “   
A construção de ferrovias no país sempre esteve envolta em problemas, que já resultaram na demissão de ministros e na prisão de um ex-presidente da Valec...”
Obras prometidas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) seguem arrastadas e são alvo de críticas do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Controladoria-Geral da União (CGU).
“ ... o setor desconfiou da estatal, que já se envolveu em escândalos. ...”
“A ferrovia Norte-Sul, programada como a espinha dorsal do sistema brasileiro, foi concebida no governo de José Sarney (de 1985 a 1990), mas avança a passos lentos. Depois de inaugurado o trecho mais recente, de Palmas (TO) a Anápolis (GO), na campanha eleitoral de 2014, só no fim do ano passado os primeiros vagões comerciais passaram a trafegar sobre os trilhos.” 
Será que esse  governo perdulário só  pensa em quanto investiu?
 Artigo  completo em http://oglobo.globo.com/economia/crise-economica-afeta-obras-em-ferrovias-que-eram-prioridades-do-pac-18424113#ixzz3wYh58eJF