Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Insensatez ou falta de respeito?


Em seu artigo de ontem, Ricardo Noblat escreveu  sobre a insensatez política. 
 
Dentre outras coisas ele comentou  que o atual governo (e o presidente anterior, mais seu partido já em plena falência moral)  se tornaram reféns  de Eduardo Cunha   por medo que  seja aberto o tão propalado processo de impeachment  .    
 
Quanto ao tão repetido EU  NÃO SABIA!, ele'disse o que já é conhecido:  "Como fingir que não viu  (ou viram) a faixa estendida no local do congresso saudando os “guerreiros do povo brasileiro”, petistas de raiz condenados pelo mensalão e sujeitos a condenação pela Lava-Jato?
 
Ao distorcer a realidade,  o ex-presidente admitiu que roubou, ao afirmar  numa entrervista em plena TV:  “Quero saber se o dinheiro do PSDB foi buscado numa sacristia”, disse a propósito da roubalheira na Petrobras. “Então nosso companheiro Vaccari, que é um companheiro inteligente, pegava dinheiro de propina e o PSDB ia lá ao cofre e pegava dinheiro limpo?”.   Estaria, portanto, ADMITINDO,  em plena TV, que também se valeu de dinheiro sujo.

Também disse Noblat em sua coluna:  "A permanência de Eduardo na Câmara contribui para acelerar a degeneração da política. ",   ou seja, sem a imediata saída de Cunha, a já tão conhecida degeneraçao ganha tempo para ser divulgada ainda mais atingindo todos os eleitores.   A credibilidade que ainda havia está indo 'pro brejo'.
Alem disso, ao se mostrar conivente,  o prefeito Eduardo Paes, do Rio, também teve exposta sua condição anti-ética ao indicar, para o seu lugar, um candidato que teria batido em sua mulher a anos atrás, fato que teve grande divulgação em toda a Internet, tornando sua candidatura inviável.Eduardo Cunha estaria apenas representando a patifaria política
Ricardo Noblat termina seu artigo com a frase: 
A insensatez costuma cobrar um preço alto.