Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

"O que L--- é" / "L--- ao Avesso"

1 - "O que L---  é                                   

Ricardo Noblat
 
 
Choca ver L...cobrar de Dilma e do ministro da Justiça que a Polícia Federal o deixe em paz e aos seus filhos, suspeitos de envolvimento com negócios mal explicados?
 
Se choca é porque você definitivamente não conhece L---.
 
Quando completou 18 anos e foi alistar-se para servir ao Exército, ele declarou ser dois centímetros mais alto do que era. Por quê? Simples: porque nunca gostou de ser baixinho.

Em um sábado de 2005, ameaçado por Marcos Valério, o operador do mensalão, que prometia contar o que escondia se não fosse socorrido, L--- falou em renunciar à presidência da República.
 
Convocado para apagar o incêndio, o então ministro José Dirceu, que passava o fim de semana em São Paulo, lá se foi convencer Valério a permanecer calado. Conseguiu.
 
Diante de pesquisas que mostravam a queda de sua popularidade, L--- ocupou uma cadeia de televisão e de rádio para pedir desculpas ao país pelo mensalão.
 
Nervoso, leu folha por folha do discurso olhando com frequência para o alto, sinal convincente de que mentia, segundo estudiosos de linguagem corporal. Jurou inocência. Disse que fora traído. Mas não apontou os traidores.
 
Às vésperas do julgamento dos mensaleiros, voou à Brasília para pedir a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que os absolvessem.
 
A um deles, Gilmar Mendes, antecipou como alguns dos seus colegas prometiam votar. E se ofereceu para interceder por Gilmar que estava sendo alvo dentro do Congresso de histórias inventadas para macular sua honra.
 
Gilmar sabia com quem lidava. Em visita ao Palácio do Planalto, tão logo L--- começara a governar, o ministro soube que um procurador da Fazenda, no Rio, criava dificuldades para a construção de uma obra da Petrobras.
 
Gilmar ouviu o conselho dado por L--- a José Sérgio Gabrielli, presidente da empresa: “Grampeie esse cara”.  Grampo é crime. Só não é se autorizado pela Justiça.
 
Para escapar do mensalão, L--- entregou a cabeça de José Dirceu, o coordenador de sua campanha vitoriosa de 2002. Apesar do lobby que fez por eles, os mensaleiros acabaram condenados.
 
Desde então, L--- insiste em afirmar que o mensalão jamais existiu. Coisa de maluco? De excêntrico? De esperto? Coisa de gente sem compromisso com o que disse, diz ou dirá um dia.
 
Não cobrem coerência de L---. Tampouco que diga a verdade. A vida inteira ele só pensou em se dar bem.
 
Carismático (?), talentoso manipulador de palavras e de pessoas, sempre encontrou quem lhe fizesse as vontades. E se esbarrava em alguém disposto a contrariá-lo, dava um jeito e se livrava dele.
 
Sabe falar grosso com quem pretenda intimidar. Ou miar se for o caso.  (MALEÁVEL, DE ACORDO COM SEUS INTERESSES) Na campanha de 2002, quando enfrentou José Serra, miou.
 
Correu a informação de que o PSDB exibiria no seu programa de TV um vídeo onde L--- se divertia numa boate em Manaus.
José Dirceu telefonou ao presidente Fernando Henrique duas vezes, perguntando se era verdade. Despachou de Brasília o ex-deputado Sigmaringa Seixas ao encontro de Serra, em São Paulo. Era lenda.
 
Pelas costas de Dilma, L--- tem falado mal dela. Culpa-a pelo cerco que sofre da Polícia. Na frente de Dilma, mia. Suplica por ajuda.
 
Ele não vê nada demais no enriquecimento de parentes enquanto governava o país. Nem vê nada demais em ter-se tornado um milionário à custa de empresas que beneficiou como presidente.
 
L--- não é imoral, longe disso. É amoral – nem contrário nem conforme à moral.
 
 
  
 
Carismático ou mentiroso contumaz? 
Espertalhão ou esquisofrênico?

 
 
 http://lula-ao-avesso.blogspot.com.br/
2 - LULA-AO-AVESSO - Depois de ler todo esse livro (antes  de colocá-lo na Internet para que todos pudessem ler e conhecer quem começou a levar o país à bancarrota) foi que passei a detestar semelhante indivíduo.  Que ele seja bastante  conhecido por todos!