Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Queriam se apoderar até das cores verde-amarelo !


 


 
No dia 07 de setembro todos iremos às ruas de roupa negro,
para mostrar o luto e as condolências pelo Brasil que está na UTI,
sendo levado para lá pelo PT-Partido dos TRAPACEIROS.



ATÉ O VERDE E AMARELO O PT PRETENDIA AÇAMBARCAR ! 
 
 
O medo de um provável vexame obrigou o partido que está destruindo o país a voltar atrás, para não reviver a época Collor.  Ainda mais agora que estão sem dinheiro para comprar seus manifestantes!
 
 
Lembram que o então presidente Collor convocou a população a sair de verde e amarelo em sua defesa e todos se vestiram  de preto?  Pois é o que será feito agora.  Protesto do dia 7 de setembro não servirá apenas para pedir uma Intervenção militar, mas para enfraquecer ainda mais esse Partido de TRAPACEIROS, que ainda pensa que todos estão a seu favor, e que é dono de tudo, até de nossas cores. 

 
 
É HORA DE ELES ASSUMIREM
QUE SEU TEMPO JÁ PASSOU E FOI MAL APROVEITADO.
 
 
ABAIXO ESTÁ O TEXTO COM O MEDO DO SEMPRE FALSO PT,  QUE PRETENDEU ESCONDER SEU MEDO, DIZENDO QUE ESTAVA VOLTANDO ATRÁS PARA NÃO DAR A IMPRESSÃO DE ESTAR QUERENDO A  CONFUSÃO 
 
Após convocar a militância a sair às ruas no dia Dia da Independência "de verde e amarelo em defesa da democracia, de Dilma, Lula e contra o golpe", o partido voltou atrás: "Resolvemos mudar para não parecer que estamos querendo confusão", afirmou o vice-presidente do PT, Alberto Cantalice; em 1992, uma convocação semelhante feita pelo governo Collor resultou no movimento dos caras-pintadas