Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Câmara dos Deputados, Senado e Presidência



Disputa na Câmara e no Senado marca início político do 2º mandato de Dilma 80;  Escolhas dos presidentes das duas Casas do Congresso deixarão sequelas; Planalto perderá, não importando o desfecho das eleições de 1º de fevereiro. 


No próximo  dia 1º de fevereiro de 2015,  teremos não apenas a nomeação  de deputados e senadores mas o nome dos presidentes que tomarão conta da Câmara dos Deputados e do Senado. 

Dizem que, seja qual for o resultado, o Palácio do Planalto estará numa  situação delicada a partir da segunda-feira da próxima semana que começará no dia 02.   Nesta data saberemos qual o verdadeiro ‘ponto de vista político’ que o 2º mandato da presidentA Dilma Rousseff terá que engolir (ou comprar).

Parece que, no Senado, as coisas estão mais tranquilas , por estar quase garantida a reeleição de Renan Calheiros (PMDB-AL) para presidir a Casa.

Sendo o ex-careca Renan Calheiros um
governista de marca maior, as coisas para o Planalto estariam tranquilas.  Porém, o nome de Renan Calheiros consta da relação da Operação Lava Jato, fazendo com que  ele corre o risco de ser acusado .    Ser qu estionado pela Justiça será ruim não apenas para o Senado,  mas será péssimo para Dilma Rousseff.  Nada pior para uma PresidentA que ter o um ‘aliado’ questionado.

Na Câmara, o cenário é ainda pior.  São quatro os candidatos à presidência da Casa: Arlindo Chinaglia (PT-SP), Chico Alencar (PSOL-RJ), Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Júlio Delgado (PSB-MG).

Na verdade apenas dois candidatos disputam o cargo de presidentes da Câmara:  Arlindo Chinaglia e Eduardo Cunha, sendo que os dois pertencem aos partidos da base do governo (PT e PMDB).  Por conta disso os dois partidos que apoiam Dilma ficarão estremecidos no Congresso, até que outros interesses os una novamente.

Claro que para o Governo o ideal seria ver o petista Arlindo Chinaglia vencer a que ocorrerá no domingo e a possibilidade de Eduardo Cunha vencer seria um desastre inicial para Dilma Rousseff, pois ele teria toda liberdade para exercer o cargo de Presidente da Câmara sem ter que prestar contas à presidente da República.  Seria ele capaz de arquivar ou dar provimento a possíveis pedidos de impeachment da  Presidente.