Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Coincidências... eternas coincidências




FILHO DE PEIXE... – Depois do filho de Lula, é a vez do filho do ministro Aloizio Mercadante: a Petra Energia S.A. recebeu mais de R$ 148 milhões do Governo Dilma em apenas 2 anos. O filho de Mercadante, coincidentemente, é vice-presidente da empresa – os pagamentos ocorreram (também coincidentemente) justamente depois dele ocupar a poderosa Casa Civil da Presidência, entre 2013 e 2014. A maior das coincidências: de acordo com o Sistema Integrado de Informações Financeiras (Siafi), do próprio Governo Federal, a verba foi empenhada pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, comandada por Mercadante entre 2011 e 2012. Fundada em 2008, a empresa de Pedro Mercadante contou com essa sequência de coincidências para se tornar em poucos anos a maior concessionária de blocos em terras no Brasil, com áreas em três estados

 
 
Mas ...
 
Em uma nota, a Petra Energia S/A jurou  de pés bem juntinhos  que o filho do ministro Aloizio Mercadante,  Pedro Barros Mercadante Oliva, seja sócio da empresa.   O filho do Ministro teria deixado a vice-presidência e atualmente não teria mais responsabilidade alguma relativa à companhia, como podemos ver em:  
 
 
Cá pr'á nós, se  existisse alguma credibilidade nesses indivíduos envolvidos na Política até poderia acreditar na nota que foi divulgada, mas não já deixou de ser assim há muito tempo.  
 
Cabe a cada um ler
os dois sites na íntegra
e tirar suas conclusões.