Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

domingo, 25 de janeiro de 2015

Elogios e ataques

Para combater crise interna, ex-presidente prega nova reforma do PT
 
 
O ex-presidente L---  disse a alguns dos principais nomes de seu partido que é preciso promover uma reforma estrutural nas direções estaduais e nacional do PT. Em sua avaliação, elas se tornaram instâncias burocráticas e incapazes de promover uma defesa eficaz da imagem da sigla, que hoje enfrenta sua pior crise política.

Bandeira antiga do partido, as cotas entraram no rol de razões para esse desgaste, segundo alguns integrantes da cúpula petista. Em 2011, a legenda aprovou que 50% dos cargos de direção devem ser ocupados por mulheres, 20% por jovens (de até 30 anos) e 20% por negros. A medida foi celebrada à época, mas hoje é vista por alguns como uma exigência que engessa e burocratiza a estrutura.

Nos bastidores, dirigentes petistas dizem que as cotas não são preenchidas "a contento", deixando o partido em uma "situação difícil".

Segundo a reportagem apurou, Lula tem repetido o mesmo diagnóstico: a direção está muito centralizada nos presidentes --nacional e regionais-- e tem poucos quadros capazes de elaborar um discurso de enfrentamento para a atual fase de desgaste. Ele defende mudar as regras para a composição partidária em todos os níveis e pede reforma no estatuto da sigla.

Durante a eleição, por exemplo, a presidente Dilma Rousseff nomeou coordenadores regionais de campanha em São Paulo, Minas e Rio: Luiz Marinho, Giles Azevedo e Alessandro Teixeira, respectivamente. Nenhum fazia parte da direção partidária.

Após vencer a disputa presidencial por estreita margem e ter visto diminuir suas cadeiras no Congresso, o PT assiste à senadora Marta Suplicy (SP) fazer críticas públicas a Dilma e apontar uma encruzilhada para o partido. "Ou muda ou acaba", provocou em entrevista recente.

Tudo isso em meio a sucessivas acusações de desvios na Petrobras e a um cenário econômico fragilizado.

A interlocutores, Lula reconheceu a dificuldade de aprovar alterações estatutárias no curto prazo. Em junho, o PT promove a segunda etapa de seu 5º Congresso, em Salvador, onde modificações podem ser apresentadas.

Enquanto não há uma resolução formal, o ex-presidente pediu que o PT crie mecanismos para que nomes que não fazem parte da direção possam influenciar mais.

Ele traçou como prioridade a reaproximação do PT com os movimentos sociais e, para essa missão, quer escalar o ex-secretário-geral da Presidência Gilberto Carvalho. Outro citado é Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência.

A avaliação é que as figuras mais experientes do PT ganham cargos nos governos ou se elegem para o Legislativo, distanciando-se do funcionamento interno do partido.

Para reverter o cenário, discute-se a exigência de maior participação dos deputados em suas regiões. Recebendo prefeitos, atendendo a imprensa e promovendo debates com movimentos sociais.

*****
 
 
Além de se preocupar com o futuro do PT-Partido de Trapaceiros, o ex-presidente está mesmo é preocupado com o seu próprio futuro e com sua vaidade.  Não apenas o possível futuro de um enfermo, mas de um político afastado do partido.  Atualmente sabemos que ele não será indicado por sua sucessora, que indicará e dará todo apoio a Aloísio Mercadante (Casa Civil).  O ex-presidente sabe que estará sendo colocado de lado, caso não morra até as próximas eleições à Presidência da República em 2018.
 
Vamos aguardar para ver até onde irá o ex-presidente contra sua sucessora.  Aquela sucessora que ele mesmo elegeu ao carregar nos braços em todas as viagens que fez pelo Brasil inteiro, com o objetivo de apresentá-la a quem a desconhecia, como sendo a melhor imagem de  uma futura presidente.    Veremos como os diversos elogios se tornarão críticas.   Fará o mesmo que fez com Sarney e com Collor?