Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Mixórdia política (ou politicagem)

 
Ministro do PMDB retira PT de cargos de segundo escalão na Saúde
 
 
 
GUSTAVO URIBECÁTIA SEABRA
 
 
 
Com a troca no comando do Ministério da Saúde, que passou a ser chefiado pelo PMDB, o PT teve o seu espaço reduzido nos cargos de segundo escalão da pasta desde o final da semana passada. O encolhimento da sigla foi antecipado pela Folha e atinge nomes ligados ao partido.
 
 
Mesmo antes de assumir o cargo, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, já negociava a substituição de petistas por indicados do PMDB, sobretudo que fizeram parte da administração do ex-peemedebista José Gomes Temporão, que assumiu a pasta no segundo governo do ex-presidente Luiz Inácio L--- da Silva (aquela METAMORSOSE AMBULANTE, COMO ELE MESMO  DISSE).
 
 
Nesta quarta-feira (14), o novo ministro exonerou a sanitarista Ana Paula Menezes, ligada ao PT de Pernambuco, da secretaria-executiva. Em seu lugar, nomeou o também sanitarista José Agenor da Silva, indicado pelo PMDB de Minas Gerais.
 
 
Na semana passada, o ministro exonerou também da Secretaria de Atenção à Saúde (SAS), responsável por projetos de acesso à saúde, Lumena Furtado, que foi secretária na gestão petista em Mauá (SP).
 
 
Para o seu lugar, ele convidou o médico Alberto Beltrame, que ocupou o posto na administração do PMDB à frente da pasta. Os dois cargos eram chefiados por nomes de confiança do ex-ministro Arthur Chioro, petista ligado ao ex-presidente Luiz Inácio L--- da Silva.
 
 
A saída do PT do comando do ministério incomodou líderes petistas, que criticaram a concessão da pasta ao PMDB pelo modelo de "porteira fechada". Pela fórmula, o titular do ministério indica os ocupantes de toda a estrutura. Castro afirma que "esse é um governo de coalizão (NO LUGAR DO QUE RESOLVERAM CHAMAR DE GOVERNO DE COALIZÃO EU CHAMARIA MAIS APROPRIADAMENTE DE GOVERNO DA MIXÓRDIA, ONDE O PRINCIPAL OBJETIVO NÃO É DAR O QUE DEVEM  AO POVO, MAS ÀQUELES QUE PODERIAM LHES DAR VANTABENS FUTURAMENTE)   e que sua equipe não será "exclusivamente" do PMDB.
 
 
Outro alvo de conflito entre PT e PMDB é o comando da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), vinculada à Agricultura. Os peemedebistas defendem a saída do petista Mário de Lima Morais da presidência, o que preocupa o PT, que considera o posto uma trincheira de resistência ao PSDB no Estado.  (TRINCHEIRA DA RESISTÊNCIA, CREDO, ATÉ PARECE QUE ESTOU NO MEIO D E UMA GUERRA, OU SERÁ GUERRILHA?  PELO MENOS DISSO DILMA ENTENDE!)
 
 
O PT também perderá o comando dos Correios e do Sebrae, que será entregue ao ex-ministro Guilherme Afif Domingos (PSD), e deve deixar a presidência da Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste), posto estratégico para a sigla no Nordeste.

VIXE!  QUE TROCA-TROCA, HEIM?
 É NESSE TROCA-TROCA QUE VEMOS QUE O PT VAI-SE ESVAINDO COM O TEMPO!
 
 
Acima está apenas a dança das cadeiras entre os dois partidos à frente das maracutaias nacionais.  Difícil Imaginar o que ocorre quando os outros partidos, num total de 35,  estão envolvidos!