Este espaço é desaconselhável a menores de 21 anos, porque a história de nossos políticos pode causar deficiência moral irreversível.
Este espaço se resume
, principalmente, à vida de quengas disfarçadas de homens públicos; oportunistas que se aproveitam de tudo e roubam sem
punição. Uma gente miúda com pose de autoridade respeitável, que
engana o povo e dele debocha; vende a consciência e o respeito por si próprios em troca de dinheiro sujo. A maioria só não vende o corpo porque este, além de apodrecido, tem mais de trinta anos... não de idade, mas de vida
pública.


OPINIÕES PESSOAIS

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Sabe com quem tu tá falando?


ME RESPEITE!   ME RESPEITE!  
ME RESPEITE!   ME RESPEITE!  
ME RESPEITE!   ME RESPEITE!  
 
Gritava um dos vários ministros com um senador ,
 depois que se tornou hábito parlamentares  ou QUALQUER UM envolvido em polÍtica 
não respeitarem quem paga seus obesos salários!
 
 


 

 

Outra foi a frase indigesta dita pelo arrogante ministro :

"O que não aceito é o desrespeito, como se aqui fosse falando com

qualquer um

 
 
O que será, para tal ministro "qualquer um" ? 
É o povo que não foi escolhido para ministro?
Opessoas que nunca estiveram envolvidas em nenhum inquerito para averiguação?
  


Carlos Eduardo de Souza Braga nasceu em Belém em 6 de dezembro de 1960. Empresário, formou-se engenheiro elétrico pela Universidade Federal do Amazonas. Sua carreira política teve início nos anos 80, ao ser eleito vereador em Manaus, filiado ao extinto PDS. Dali em diante, se saiu vencedor nos pleitos para deputado estadual e para deputado federal por Amazonas. Em 1992, elegeu-se vice-prefeito de Manaus na chapa de Amazonino Mendes, que renunciou dois anos mais tarde para disputar o governo do Estado. Após dois anos na Prefeitura, Braga tentou se eleger governador em 1998, filiado ao PSL, e à Prefeitura de Manaus em 2000, filiado ao PPS, sem êxito nas duas tentativas.  Em 2002, voltou a disputar o governo amazonense apoiado por uma coligação com mais de dez legendas. Foi eleito no primeiro turno, repetindo o resultado quatro anos mais tarde. Em 2010, elegeu-se senador e, no Congresso Nacional, já filiado ao PMDB, tornou-se líder do governo e um dos principais articuladores da presidente. Em 2013, foi alvo de um inquérito no STF devido a irregularidades cometidas durante seu período como governador do Amazonas. É acusado dos crimes de peculato, formação de quadrilha e fraude em licitação por ter supostamente autorizado desapropriação de terreno com valorização de 3100% em favor da empresa Columbia Engenharia.

Ah! Deve ser isso! 

 'Qualquer um' deve ser aquele que não está envolvido em política há uns 35 anos, como ele,
 e vive contando dinheirinho para lhe  pagar SEUS PROVENTOS !